Sérgio Moraes/Reuters
Sérgio Moraes/Reuters

BNDES está otimista para a retomada de empréstimos parados devido à Lava Jato

Maria Silvia Bastos, presidente do banco de fomentos, afirmou que as companhias que fecharem acordos de leniência terão acesso aos recursos após assinarem um termo de compliance

Fernanda Guimarães, Aline Bronzati e Cynthia Decloedt, Broadcast

04 de abril de 2017 | 10h47

SÃO PAULO - A presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos, disse estar otimista com a retomada da liberação de empréstimos represados para construtoras devido à Operação Lava Jato. Durante o 4º Forum de Investimento do Bradesco BBI, Maria Silvia afirmou que as companhias que fecharem acordos de leniência terão acesso aos recursos após a assinatura de um termo de compliance.

"Se determinado construtor descumprir o termo de compliance ou de leniência, haverá cross default (vencimento antecipado de todas as dívidas)", destacou.

Maria Silvia afirmou ainda que, para o BNDES, esses acordos são muito importantes e que deixam as empresas com cadastro positivo na instituição. Ela mencionou que Andrade Gutierrez e Galvão Engenharia já tiveram seus empréstimos retomados.

O BNDES chegou a barrar a presença da imprensa na palestra da presidente do banco. Mas minutos depois de desalojar todos os jornalistas, recuou na decisão. "Transparência. Temos investido muito nisso", afirmou Maria Silvia, durante a palestra.

Recursos do Tesouro. Maria Silvia ainda descartou a possibilidade do banco receber recursos do Tesouro. "O banco não depende nem nunca dependeu totalmente do Tesouro". Ela destacou que o BNDES sempre captou recursos no mercado e está se preparando para voltar a acessar essa fonte de recursos. Não deu, porém, mais detalhes sobre eventual captação a ser feita pelo banco. Mencionou ainda que o BNDES tem uma "fonte de recursos estável e de longo prazo", que é o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), e que a instituição tem o papel de "indutora de governança corporativa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.