BNDES estende Modermaq às construtoras

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou nesta segunda-feira que aprovou alterações no Programa de Modernização do Parque Industrial Nacional (Modermaq), passando a considerar entre as empresas beneficiárias também as dedicadas ao ramo da construção civil. Ou seja, incluindo até mesmo as empreiteiras que atuam na construção de estradas, por exemplo.Segundo comunicado do banco estatal, o Modermaq, criado em 5 de agosto deste ano, tem orçamento de R$ 2,5 bilhões e vigência de doze meses. Esse programa, de acordo com o BNDES, visa financiar a aquisição de máquinas e equipamentos, e inicialmente contemplava como beneficiárias apenas as empresas enquadradas como indústrias extrativas e indústrias de transformação. O banco estatal esclarece que as empresas de construção terão direito a este tipo de financiamento empresas de construção de qualquer porte , "desde que estejam assim enquadradas pelo IBGE na Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Seção F)". O BNDES informa que há exceção na concessão de financiamento: investimentos destinados a empreendimentos imobiliários, tais como edificação residencial, time-sharing (imóveis de uso compartilhado), hotel-residência e loteamento. O BNDES termina o comunicado informando que o financiamento do Modermaq abrange até 90% dos investimentos em máquinas e equipamentos, com juros fixos de 11% ao ano, acrescidos da remuneração do agente financeiro (bancos credenciados) nas operações indiretas, podendo elevar o custo total a, no máximo, 14,95% ao ano. O prazo de pagamento, segundo o banco, é de até 60 meses, incluída a carência de três ou seis meses. As garantias são as previstas nas linhas de financiamento no âmbito da Finame, que é a linha de crédito do banco para aquisição de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, através de instituições financeiras credenciadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.