BNDES estuda financiar empresas nacionais que operam no exterior

Vice-presidente do banco de fomento diz que possibilidade está sendo discutida com o Banco Central 

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

28 de novembro de 2011 | 16h04

O vice-presidente do BNDES, João Carlos Ferraz, afirmou que a instituição oficial está discutindo com o Banco Central a oportunidade de financiar empresas nacionais que operam fora do Brasil. Após palestra realizada em São Paulo, na Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, o executivo não deu mais detalhes sobre o tema.

Ao ser questionado por um empresário se o BNDES vai liberar financiamentos para empresas brasileiras atuarem em privatizações em Portugal, Ferraz disse que bons projetos serão apoiados. Ele ressaltou que o banco já dispõe de uma linha de crédito para internacionalização de empresas brasileiras.

Ferraz enfatizou, contudo, que o suporte financeiro do BNDES independe se é destinado para operações de privatização ou não, pois os critérios mais importantes para a colaboração do banco são a qualidade do projeto e o benefício que ele pode trazer à sociedade brasileira.

Demanda por investimentos

Ele disse ainda que, dado a demanda de investimentos existente, o Banco "não será capaz de segurar a onda de financiamentos sozinho". E isso, declarou, ressalta a importância da ampliação de outras fontes de financiamento privado de longo prazo.

Ferraz afirmou que os desembolsos do BNDES devem chegar perto de R$ 140 bilhões no final do ano. Ferraz disse que é possível que em dois anos, quando a taxa de juro nominal estiver abaixo de 10% ao ano, os bancos atuem com mais intensidade em projetos de financiamento de longo prazo.

Segundo Ferraz, 20% dos investimentos no Brasil são alavancados por financiamentos da instituição. "Dez por cento dos empregos gerados durante os investimentos estão relacionados com financiamentos desembolsados pelo banco", comentou. Ele ressaltou que houve uma decisão política do governo de reduzir a velocidade de concessão de créditos a fim de promover a ampliação dos empréstimos para projetos de longo prazo por instituições privadas. "Houve uma decisão política nesse sentido e queremos promover o 'crowding in'", disse.

De acordo com o BNDES, os desembolsos no ano passado atingiram R$ 143,7 bilhões e chegaram a R$ 132,2 bilhões de janeiro a setembro deste ano. Ferraz destacou que essa modalidade de liberação de recursos deve atingir perto de R$ 140 bilhões em 2011.

Ferraz também afirmou que o banco tem processos de concessão de crédito muito rigorosos, o que faz com que seu desempenho financeiro seja muito positivo e ajuda a financiar o desenvolvimento do País com projetos de longo prazo. "A inadimplência dos financiamentos do BNDES é quase desprezível, pois atinge 0,12%."

Tudo o que sabemos sobre:
BNDESfinanciamentocrédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.