Paulo Vitor/Estadão
Paulo Vitor/Estadão

Financiamentos do banco tratam Cuba como país ‘seguro’

Juros nos empréstimos do BNDES para obras no país variam de 4,4% a 7% ao ano, condições consideradas vantajosas por analista

Alexa Salomão, CARLA ARAÚJO, RENATA VERÍSSIMO, O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2015 | 17h56

A avaliação sobre o retorno dos empréstimos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no exterior ainda depende de cálculos mais elaborados e de novos dados, que ainda não foram divulgados pela instituição, como o custo de captação do dinheiro emprestado. Mas, nas análises preliminares, chamaram a atenção as condições oferecidas a Cuba: juros baixos e prazos longos, garantidos pelo próprio governo do Brasil. “Cuba tem um dos piores riscos de crédito do mundo e recebeu condições extremamente vantajosas”, diz o economista Sérgio Lazzarini, professor do Insper que estuda o BNDES há 10 anos.

As planilhas divulgadas pelo BNDES mostram que a grande favorecida foi a Odebrecht, por meio da empresa Companhia de Obras e Infraestrutura. As taxas de juros para Cuba variaram entre 4,4% e 7%, fixas ao ano, em dólar, com prazos de 10 a 25 anos - condições para poucos. “A economia de um país precisa ser muito estável e sólida para conseguir 4,4% ao ano, a um prazo de 25 anos. E Cuba não tem isso nem de longe”, diz um executivo especializado em emissões no mercado internacional. Hoje, entre os países da região que emitem a 4% com prazo de 30 anos está o vizinho Chile. 

Segundo Lazzarini, estudo realizado pela Universidade de Nova York estima que um financiamento para Cuba teria de ter juros oscilando entre 11,5% e 12,5%. “Mas é um valor hipotético, porque Cuba nem consegue fazer uma emissão para que se possa saber de verdade”, diz o professor. 

Também chamou muito a atenção a garantia utilizada nos financiamentos para Cuba, descrito como Seguro de Crédito/FGE (Fundo de Garantia à Exportação). Esse fundo é vinculado ao Ministério da Fazenda brasileiro - ou seja, a garantia acaba sendo o próprio Tesouro Nacional. O BNDES argumenta, porém, que há outras garantias dadas por Cuba - mas não soube precisar ontem quais seriam essas garantias.

Lado bom. Na avaliação do economista Marcos Lisboa, presidente do Insper e ex-secretário de política econômica, há um lado bom na divulgação: “É um avanço imenso para o País: tendo acesso às condições dos financiamentos poderemos saber como dinheiro do Tesouro, do Fundo de Amparo a Trabalhador, o FAT, e do próprio BNDES foram utilizados e discutir se concordamos ou não. Poderemos dar mais qualidade à política pública”, diz Lisboa. 

Para o pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (IBRE/FGV), Samuel Pessoa, as operações do BNDES costumam ser feitas fora das condições do mercado: “O subsídio implícito é cavalar. A pergunta que tem que ser feita é se esses empréstimos valem a pena e que retorno eles dão à sociedade brasileira”, afirmou. “A decisão de subsidiar empréstimos como esse do Porto de Mariel, em Cuba, é uma decisão política que o governo eleito tomou. Não acho que seja uma decisão técnica do BNDES”, afirma. 

Tudo o que sabemos sobre:
bndescubaporto de marielodebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.