DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

BNDES forneceu R$ 6 bi ao setor de etanol

O desembolso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao setor de etanol somou R$ 6,04 bilhões em 2014, 12,3% menos do que os R$ 6,89 bilhões de 2013. Os números confirmaram as projeções iniciais do banco, segundo o chefe do Departamento de Biocombustíveis, Carlos Eduardo Cavalcanti, e o gerente da área, Artur Yabe.

JOSÉ ROBERTO GOMES, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2015 | 02h06

Eles disseram que a queda foi pequena e reflete uma acomodação após o forte aquecimento em 2013. "O ano de 2013 foi atípico, com uma demanda muito grande pelo Prorenova.

Por causa do efeito que esse programa gerou, a indústria renovou mais os canaviais e, por isso, diminuiu a demanda pelos recursos no ano passado", disse Yabe. "Tanto é que o programa teve um orçamento R$ 1 bilhão menor, de R$ 3 bilhões."

Por área, o BNDES desembolsou R$ 1,69 bilhão à agrícola (-17,5%), o que inclui o Prorenova. O segmento de indústria, que engloba máquinas, equipamentos e a linha para estocagem de etanol, recebeu R$ 4,24 bilhões no ano passado, queda de 8,6%. Já para a área de cogeração foram destinados cerca de R$ 110 milhões (-45%).

Tecnologia. Yabe também destacou os números do Paiss, programa de apoio ao desenvolvimento tecnológico do setor sucroenergético, que é tocado em conjunto pelo BNDES e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Para o Paiss Industrial, lançado em 2011, foram liberados R$ 2,8 bilhões, sendo R$ 1,2 bilhão apenas pelo banco.

Quanto ao Paiss Agrícola, criado no ano passado, a carteira foi de R$ 1,9 bilhão, dos quais R$ 144 milhões pelo BNDES, destinados a equipamentos agrícolas, cana transgênica e novas técnicas de plantio, entre outros.

Mais conteúdo sobre:
CombustíveisEtanol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.