coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

BNDES lança edital para selecionar gestor de fundo

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou nesta quinta-feira o edital da chamada pública para a seleção do gestor do fundo Criatec II. O novo Fundo de Investimento em Participações é voltado para empresas inovadoras com faturamento líquido anual de até R$ 10 milhões registrado no ano anterior à aprovação do investimento pelo fundo, informou o banco em nota.

AE, Agencia Estado

30 de agosto de 2012 | 14h25

Os gestores interessados em participar do processo de seleção do Criatec II deverão enviar suas propostas em versão impressa e eletrônica até 11 de outubro. Outras informações sobre o processo de seleção encontram-se disponíveis no seguinte link: http://midi.as/c-6

O patrimônio comprometido do Criatec II será de no mínimo R$ 170 milhões, sendo que a participação do BNDES poderá alcançar até 80% desse valor, limitado a R$ 136 milhões. O Banco do Nordeste do Brasil (BNB) comprometerá até R$ 30 milhões. O Banco de Desenvolvimento do Sul (Badesul) e o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) também serão cotistas do fundo, com aportes de até R$ 10 milhões cada um. Ambos participarão com o objetivo de investir em projetos nas suas respectivas regiões.

Outros investidores institucionais poderão ingressar no quadro de quotistas do fundo mesmo após o lançamento do edital de seleção do gestor do Criatec II. O fundo terá um gestor nacional e no mínimo seis gestores regionais, que atuarão em seis polos, divididos por, pelo menos, quatro regiões do País. No primeiro momento, somente o gestor nacional será selecionado pelos investidores do fundo. Os gestores regionais terão que ser aprovados pelo comitê de investimentos do Criatec II durante os 12 primeiros meses de seu funcionamento.

Os polos de atuação regional serão distribuídos da seguinte forma: um gestor no Rio Grande do Sul; um em São Paulo; um em Minas Gerais; um no Rio de Janeiro; um no Distrito Federal e/ou em Goiás; um na Bahia e/ou Ceará e/ou Rio Grande do Norte. O fundo poderá ter mais de seis polos de atuação, inclusive fora das localidades citadas acima, desde que aprovados por seu comitê de investimentos.

Segundo o BNDES, o lançamento do Criatec II é fruto dos bons resultados obtidos pelo primeiro fundo Criatec, que iniciou sua operação em outubro de 2007, com um perfil de aportar recursos em 36 empresas de pequeno porte ou start-ups com forte perfil inovador, muitas delas ligadas às principais incubadoras ou parques tecnológicos do País. Atualmente, várias das start-ups já estão operando no mercado após o desenvolvimento de produtos inovadores e de tecnologia de ponta.

O Criatec I possui 36 empresas em sua carteira, espalhadas pelas sete regionais de atuação do fundo. O período de investimentos no fundo já foi encerrado, embora seu prazo de duração seja de 10 anos, e conta com compromissos de aportes do BNDES de R$ 80 milhões e outros R$ 20 milhões do BNB.

Em até um ano, o BNDES realizará um novo edital para a chamada pública para a seleção do gestor do Criatec III. O fundo terá estruturação idêntica ao Criatec II, com exceção dos polos de atuação, que terão um gestor nos seguintes Estados: um no Paraná e/ou em Santa Catarina; um em São Paulo; um em Minas Gerais; um no Rio de Janeiro; um no Amazonas e/ou no Pará; um em Pernambuco e/ou na Paraíba.

Tudo o que sabemos sobre:
BNDESfundogestão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.