BNDES libera mais recursos para construção de hidrelétricas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou o financiamento de R$ 605 milhões para construção de usinas hidrelétricas no Rio Grande do Sul e na Bahia, que vão entrar emoperação comercial a partir de 2005. O chefe do departamento de energia elétrica do banco, Nelson Sissert, explicou a decisão, apesar da sobreoferta atual de energia, dizendo que o objetivo é expandir a produção de eletricidade para acompanhar o esperado crescimento econômico do País.?No momento está sobrando energia, mas se a economia começar a crescer a oferta será reduzida. Por isso, o banco está priorizando investimentos de geração para os próximos quatro a cinco anos?, explicou. Investimentos em geraçãoNeste ano, o BNDES deverá liberar R$ 4 bilhões para investimentos no setor elétrico, sendo que mais de 50% desse total estarão voltados para geração. Dos R$ 604,7 milhões em financiamentos aprovados pelo banco nesta semana, R$ 460 milhões serão para a construção da usina hidrelétrica de Barra Grande, entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Sissert disse que a usina terá capacidade de geração de 690 MW, criando 2 mil empregos na fase de construção. A operação comercial será iniciada em novembro de 2005.O projeto é de um grupo de empresas que inclui a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), Alcoa, Camargo Corrêa Cimentos, Grupo Votorantin e DMEEEnergética (vinculado a prefeitura de Poços de Caldas, MG).O empreendimento da Bahia terá financiamento de R$ 144,7 milhões, com capacidade instalada de 160 MW. O projeto da usina é da Votorantim Cimentos, que vai destinar a energia gerada para o consumo de suas indústrias. O empreendimento deverá gerar500 empregos durante as obras.Segundo Sissert, a concessão do financiamento segue as novas diretrizes aprovadas pelo banco, ou seja, contribui para o aumento da capacidade instalada regional e a confiabilidade do sistema elétrico do Nordeste, colabora para o desenvolvimento regional e ?proporciona inclusão social".O financiamento corresponderá a 62% do investimento total no projeto, que será de R$ 231,8 milhões. A primeira unidade da usina entrará em operação em janeiro de 2005 e a segunda, em março do mesmo ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.