BNDES lucra R$ 1,585 bi no primeiro trimestre

Apesar do ganho, pouco superior ao do mesmo período de 2014, banco de fomento não repassou dividendos à União

Vinicius Neder , O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2015 | 02h02

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 1,585 bilhão no primeiro trimestre do ano, alta de 2% ante igual período de 2014, segundo informações prestadas ao Banco Central (BC). Embora o lucro esteja mais ou menos no nível do registrado no primeiro trimestre de 2014, o BNDES não repassou dividendos à União neste ano.

Segundo o economista Fabio Klein, especialista em finanças públicas da consultoria Tendências, as contas do governo federal registram receita de R$ 2,233 bilhões com dividendos de estatais de janeiro a abril, mas nem um centavo dos cofres do BNDES. Ano passado, de janeiro a abril, a União já havia recolhido R$ 8,231 bilhões em dividendos, quase quatro vezes mais do que neste ano. Com quase R$ 4 bilhões, o BNDES respondeu por cerca de metade dos valores do ano passado.

Em 2014, o banco de fomento foi a estatal que mais pagou dividendos à União, com R$ 9,079 bilhões, pouco menos da metade do total de R$ 18,939 bilhões. "Ano passado, a receita com dividendos ajudou", afirmou Klein.

Mesmo com essa receita, o governo não conseguiu fechar as contas no azul e registrou déficit primário, ou seja, as despesas ficaram acima das receitas, mesmo descontando as despesas com juros. Neste ano, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, poderá não contar muito com os dividendos, previu Klein.

Como tem capital fechado, a instituição de fomento não divulga balanço financeiro trimestral, apenas um informe contábil publicado em seu site a cada três meses, cuja edição do primeiro trimestre de 2015 ainda não saiu. Os dados sobre dividendos são informados nos resultados das contas do governo.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.