Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

BNDES muda política de dividendos para antecipar mais R$ 4,6 bi para a União ainda este ano

Conselho de Administração do banco aprovou alteração em regra que limitava repasses de dividendos

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2019 | 14h38
Atualizado 25 de outubro de 2019 | 20h44

Correções: 25/10/2019 | 20h44

RIO – O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou a antecipação de mais R$ 4,6 bilhões referentes ao lucro líquido parcial deste ano, ajudando o Tesouro Nacional conseguir receitas extras para fechar as contas públicas deste ano sem mudar a meta fiscal. O Conselho de Administração do banco deliberou o pagamento ontem, disse o presidente do órgão, Carlos Thadeu de Freitas. O banco já havia antecipado R$ 3,3 bilhões em dois repasses, em agosto e setembro. Agora, o total antecipado chegará a R$ 7,9 bilhões, além do R$ 1,6 bilhão do lucro de 2018 repassado em maio.

No esforço para conseguir receitas extras, o Ministério da Economia contava com R$ 13 bilhões do lucro dos bancos estatais, como revelou o Estadão/Broadcast em agosto. Desse total, R$ 9 bilhões viriam do BNDES, mas o banco de fomento estava com dificuldades de ampliar os repasses por causa de restrições de sua política de dividendos – dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) são formas pelas quais uma empresa repassa o lucro aos acionistas.

Segundo Freitas, a deliberação levou em conta a previsão de fluxo de caixa esperado, na hora de avaliar o gerenciamento de risco de capital, permitindo ao BNDES repassar o lucro no limite máximo previsto na política de dividendos. “A política atual já prevê o pagamento de 25% a 60% de dividendos sobre o lucro líquido após a reserva legal de 5%. A decisão de hoje deliberou o pagamento no limite máximo”, informou o BNDES, em nota.

Pela lei, empresas abertas são obrigadas a repassar no mínimo 25% do lucro líquido aos acionistas – no caso do BNDES, a União é o único acionista. Geralmente, no início do ano, as empresas pagam dividendos referentes ao lucro líquido do ano anterior, após fechar os resultados, mas a legislação permite antecipações parciais num mesmo ano.

Só que, para além da lei, o BNDES instituiu uma política interna de dividendos, na gestão da ex-presidente Maria Silvia Bastos Marques, que comandou o banco de 2016 a 2017. Pelas regras, o repasse à União ficou limitado a 60% do lucro líquido e deveria observar também o gerenciamento de riscos de capital.

Segundo Freitas, a deliberação de ontem passou por uma reavaliação no gerenciamento de riscos de capital, principal responsável por impedir que os repasses chegassem a 60% do lucro. O excesso de exposição do BNDES à Petrobrás, principalmente por causa da participação acionária do banco na petroleira, acendia a luz amarela do risco de capital. A reavaliação considera a perspectiva de vendas da fatia do BNDES no capital da Petrobrás, disse Freitas.

O esforço do Ministério da Economia de buscar receitas extras para fechar as contas públicas no fim do ano sem alterar a meta fiscal remete aos governos do PT, que engordavam o caixa com o lucro das estatais, com destaque para o BNDES. Um dos objetivos da política de dividendos do BNDES, criada já no governo Michel Temer, era justamente evitar o repasse excessivo dos lucros. Como o lucro do BNDES era turbinado pelos aportes bilionários do Tesouro no banco, alguns especialistas viam aí uma manobra de “contabilidade criativa”.

Para Freitas, o quadro atual é diferente. “Naquela época, o dividendo era falso, era (gerado) com dinheiro (de aportes) do governo. Desta vez não, é rentabilidade do banco. É diferente”, afirmou o presidente do Conselho de Administração.

 

Correções
25/10/2019 | 20h44

A primeira versão deste texto informou incorretamente o valor dos dividendos sobre o lucro líquido de 2019 do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que será antecipado à União. O BNDES antecipará R$ 4,6 bilhões até o fim do ano, e não R$ 5,4 bilhões, como registrado inicialmente. O BNDES esclareceu ainda que a deliberação do Conselho de Administração, para que o pagamento de dividendos fosse feita no limite máximo de 60%, não passou por mudanças na política de dividendos, como também foi informado na versão anterior do texto.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.