Bruno Rocha/Foto Arena
Bruno Rocha/Foto Arena

BNDES não quer devolver agora dinheiro do FAT

Banco está sendo pressionado pela Fazenda a cobrir rombo do fundo, que deve atingir no ano que vem R$ 20,6 bilhões

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, Impresso

22 Agosto 2017 | 05h00
Atualizado 22 Agosto 2017 | 19h17

BRASÍLIA - Uma disputa entre o Tesouro e o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem potencial para abrir mais um flanco de tensão na área econômica do governo. O banco avalia que este não é o melhor momento para devolver ao Tesouro os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) repassados ao banco de fomento, como quer o Ministério da Fazenda.

O BNDES quer definir um cronograma de devolução de parte do dinheiro que leve em conta o fluxo de caixa futuro e as novas captações externas que o banco fará para reforçar sua capacidade de oferta de financiamento.

Não é a primeira vez que Rabello de Castro bate de frente com a Fazenda. Ele fez críticas abertas também à proposta do governo para a nova taxa de juros que servirá de referência aos empréstimos do banco estatal (a TLP), considerada uma das principais medidas para reduzir o custo dos subsídios.

Como antecipou o Estadão/Broadcast no fim de junho, por trás da pressão da Fazenda para devolver os recursos do FAT está o risco de a União descumprir a chamada “regra de ouro” do Orçamento, que proíbe a tomada de empréstimos para bancar despesas correntes. A reportagem mostrou que o representante do Tesouro no grupo técnico do Conselho Deliberativo do Fundo (Codefat) advertiu que a União corria esse risco e que não poderia mais cobrir o déficit do FAT por conta do crescimento das despesas com o pagamento de seguro-desemprego e abono salarial. O problema começará a aparecer em 2018.

Sem o “cobertor” do Tesouro, algumas saídas para financiar o rombo do FAT seriam a devolução de parte dos repasses que o fundo faz ao BNDES, o uso de parte do patrimônio do fundo ou sua retirada do alcance da Desvinculação de Receitas da União (DRU).

O saldo de recursos do FAT no BNDES é de R$ 240,82 bilhões, segundo balanço do fim de junho. Desse valor, R$ 12,23 bilhões são de depósitos especiais, que poderiam ser restituídos mais rapidamente ao fundo, e outros R$ 228,59 bilhões correspondem aos repasses constitucionais do FAT ao banco de fomento.

Segundo fontes, o BNDES quer normatizar melhor a relação com o FAT e alega que não pode abrir mãos desses recursos “de imediato” porque a demanda potencial de empréstimo de longo prazo tem chance de recuperação mais rápida nesse momento de retomada do crescimento e das concessões.

Buraco. O buraco no FAT deve atingir R$ 20,6 bilhões em 2018 por causa da diferença entre o que o fundo recebe e o que ele gasta, segundo o Orçamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do Fundo (Codefat).

Além de defender a devolução dos recursos pelo BNDES ao fundo, o governo também aposta na aprovação da TLP para melhorar a remuneração do banco de fomento ao FAT, que hoje segue a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), fixada em 7% ao ano, abaixo da Selic, em 9,25% ao ano.

Em nota, o Tesouro disse que considera a “regra de ouro” como parte fundamental do arcabouço de regras fiscais que asseguram a sustentabilidade das contas públicas no longo prazo e que o governo tem condições de cumpri-la em 2017. “A garantia de seu cumprimento no médio e longo prazos, no entanto, depende da aprovação de reformas estruturais, as quais sejam capazes de adequar as despesas correntes do Estado às suas receitas correntes”, diz o órgão.

Procurado, o BNDES não se pronunciou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.