Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

BNDES negocia impacto da devolução de recursos ao Tesouro

Banco cria grupo para avaliar e tentar neutralizar o efeito que pagamento de R$ 180 bi à União causaria em sua capacidade de financiamento

Adriana Ferndandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - O impasse criado com o governo fez com que o BNDES montasse uma equipe especial para avaliar a possibilidade jurídica e técnica de adiantar os pagamentos dos empréstimos recebidos do Tesouro sem prejudicar sua capacidade de financiamento. Hoje, o banco calcula ter justamente R$ 180 bilhões em caixa e essa equipe vai medir quanto desse valor já está comprometido com desembolsos de contratos firmados ou em vias de conclusão.

O diretor de Crédito, Planejamento e Pesquisa do BNDES, Carlos Da Costa, afirma que há boa vontade do banco para negociar. Porém, chama a atenção para o fato de que assim como os administradores do governo precisam observar critérios de responsabilidade, o banco também está sujeito a “limites prudenciais”. A instituição já deixou claro que o valor da devolução reivindicada pelo governo (R$ 50 bilhões em 2017 e R$ 130 bilhões em 2018) é apenas um “indicativo”.

O BNDES trouxe para a mesa de negociação com o governo uma cesta de medidas com o objetivo de reduzir o impacto que a antecipação dos pagamentos ao Tesouro Nacional poderá ter sobre o poder de fogo da instituição na concessão de crédito. Algumas das alternativas foram discutidas ontem, em reunião entre o diretor do BNDES e a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi. Segundo Da Costa, uma parte considerável dos recursos pedidos pelo governo está emprestada, financiando empresas: “É por isso que esses empréstimos têm um prazo para pagamento (ao Tesouro) que acompanha o prazo de pagamento das empresas”.

++ JBS afirma que avalia medidas legais contra o BNDES

O Tesouro repassou ao banco recursos com prazo de pagamento de até 30 anos. E o banco programou suas operações seguindo esse período de pagamentos. Agora, alega que precisa reforçar seu caixa para poder antecipar a devolução. Uma das possibilidades é o BNDES fazer captações no mercado doméstico com papéis de renda fixa e variável. Hoje, esse tipo de financiamento está parado. No mercado externo, o banco pode alavancar recursos com instituições financeiras. Nesse caso, necessitaria enviar recursos ao exterior. “É para alavancar mais recursos. É isso que os bancos fazem: deixam parte dos recursos e multiplicam isso”, disse o diretor, ressaltando que o mercado externo está líquido e barato.

Segundo Da Costa, outra possibilidade é a venda de ações de empresas que estão na carteira do BNDESPar – o braço de participações do banco. “Podemos eventualmente vender ações do BNDESPar. Mas com prudência. Não podemos queimar o patrimônio do brasileiro.”

++ Devolução de R$ 180 bi  compromete concessões. diz BNDES

Na devolução de R$ 100 bilhões, em 2016, R$ 40 bilhões foram pagos em títulos da dívida pública. Os R$ 60 bilhões restantes foram em dinheiro, após o “desfazimento” de operações compromissadas. Quando um banco “desfaz” uma compromissada, o Banco Central recompra esses títulos e paga em dinheiro para a instituição financeira. “Se é para abater dívida, (o pagamento) é (em) títulos. A compromissada não é dívida, é política monetária, abate a dívida temporariamente”, afirmou o diretor da Área Financeira e Internacional do BNDES, Carlos Thadeu de Freitas. / COLABOROU VINÍCIUS NEDER

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.