BNDES pede atuação de bancos de fomento para microcrédito

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem disponível em carteira R$ 1 bilhão para microcrédito. Hoje, em reunião com o conselho da Associação Brasileira das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (Abde), o presidente do banco estatal, Carlos Lessa, pediu união de esforços, em torno do BNDES, a todos os integrantes da associação, que representam órgãos de fomento em todo o País, para utilizar estes recursos na expansão do microcrédito no Brasil. Ele considerou que a expansão do microcrédito está em linha com a estratégia de desenvolvimento do governo em promover um Pacto Social que conduza à interrupção da escalada do desemprego no País. Lessa foi enfático ao ressaltar a importância da união das instituições bancárias sobre o tema. "É responsabilidade do sistema bancário brasileiro exercer o programa de microcrédito. Nenhum banco pode tirar o corpo fora disso", disse. Durante reunião do conselho, no qual estavam presentes representantes da Nossa Caixa, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, GoiásFomento, Lessa argumentou que, em um país com taxa de desemprego que conduz às "filas para empregos de gari e coveiro", deve ser concedida a possibilidade de expansão do microcrédito para que as pessoas tenham a opção de pelo menos "ter seu próprio negócio". Não ao paternalismoO presidente da Abde, Renato de Mello Vianna, considerou que a expansão do microcrédito no País, por meio das instituições de fomento, passa pelo desafio "de não se tornar paternalista". Ele considera que a estrutura atual dos bancos de fomento também pode dificultar a participação dos órgãos no processo de expansão do microcrédito. Lessa rebateu o comentário de Vianna e considerou que a expansão do microcrédito "não é assistencialista, é de gerar emprego e renda no sentido de inclusão social".Vianna considerou ainda que a questão do provisionamento é o que mais preocupa às instituições. "No momento em que transferimos recursos, somos obrigados a provisioná-los, e isso afeta a capacidade de alavancagem do próprio banco", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.