BNDES prepara "cartão de crédito" para pequena empresa

O BNDES quer finalmente chegar a um público até pouco tempo segregado pela estrutura do órgão: as micro e pequenas empresas. O banco está criando um cartão de crédito para as companhias emergentes, que vai funcionar nos mesmos moldes dos cartões de crédito para pessoa física.De posse do cartão, o empreendedor poderá fazer compras de equipamentos e maquinários de um rol de fornecedores que vão se associar ao BNDES. O banco então paga a conta do bem adquirido para esse fabricante de máquinas, com um desconto de 3%. O pequeno empresário recebe a fatura da compra que será paga em até 12 meses com juro de 1,5% a 2% ao mês.Pelo menos três segmentos serão beneficiados pelo cartão de crédito do BNDES inicialmente: supermercados, segmentos de couro e calçados e na área de serviços de saúde (laboratórios e clínicas).Já há um piloto em funcionamento de supermercadistas, através do chamado cartão BNDES/Abras com um teto de compra no valor de R$ 50 mil. De acordo com o presidente da Abras, José Humberto de Araújo, o projeto está sendo estudado há quase três anos. Já há pelo menos 200 fornecedores que vão se cadastrar junto ao BNDES.Segundo o gerente de novos projetos do BNDES, Milton Dias, já estão programados R$ 300 milhões para o crédito que será concedido aos três segmentos.PortalPara chegar ao micro e pequeno empresário, sem intermediários, o BNDES desenvolveu um portal de compra e venda na Internet. O programa funcionaria então como um comércio virtual, o que pode alijar as empresas que ainda não tem contato com a tecnologia. O presidente da Abras, porém, avalia que esse problema pode ser contornado com o acesso à Internet por meio das associações estaduais da Abras.De qualquer modo, o modelo dribla algumas dificuldades enfrentadas por esse público para chegar ao crédito do banco. Pela falta de capilaridade, ou seja, de agências espalhadas pelo País, o BNDES acaba repassando suas linhas de crédito a redes de bancos privados. Estes, porém, cobram por esses serviços, encarecendo o recurso.O cartão pode agilizar ainda a liberação de dinheiro independentemente do faturamento da empresa. Para as linhas tradicionais do banco, o BNDES considera como microempresa aquelas que faturam até R$ 900 mil por ano e pequena empresa entre R$ 900 mil e R$ 7,8 milhões.No entanto, só no ramo de supermercados há 38 mil estabelecimentos com apenas um check-out, sendo que grande parte deles não atende nem mesmo o padrão de microempresa do BNDES. José Humberto de Araújo explica que o cartão BNDES/Abras não vai seguir esses padrões.Segundo ele, ainda está em estudo como vai ser feita a aprovação de crédito para que o empresário receba o cartão.Milton Dias, do BNDES, explica que até o fim de abril haverá uma primeira versão do cartão e do portal que será apresentada em road shows pelo País. Dias esclarece que o crédito só será liberado para a compra de máquinas e equipamentos de fornecedores que vão incluir seus catálogos no portal. "Serão somente produtos nacionais", explica.

Agencia Estado,

19 de março de 2002 | 20h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.