BNDES prepara nova captação para 1º semestre de 2008

Emissão faz parte de uma nova estrutura de funding do banco, diz o presidente Luciano Coutinho

Paula Puliti, da Agência Estado,

21 de setembro de 2007 | 11h48

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, disse nesta sexta-feira, 21, que o banco fará nova captação no mercado interno no primeiro semestre de 2008, possivelmente na forma de debêntures da BNDESPar, a exemplo do que aconteceu neste ano. Ele não quis adiantar o valor da emissão, mas disse que esta emissão faz parte de uma nova estrutura de funding do banco que ele está implementando. Coutinho afirmou que o "BNDES está encarecidamente solicitando ser melhor aquinhoado" com os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), do Ministério do Trabalho, para suprir o aumento das necessidades do banco para projetos de infra-estrutura. O BNDES tem 40% do FAT constitucional. Além disso, outra parcela do fundo vai para o seguro-desemprego. A parcela variável que fica livre está sendo objeto de demanda do banco de desenvolvimento. Em relação ao orçamento do banco para 2008, Coutinho preferiu não citar valores, mas disse que deverá ser maior do que o teto de R$ 65 bilhões deste ano. No entanto, ele sugeriu que sejam observados os dados de aprovações e desembolso do BNDES para se ter uma idéia do valor. Em 12 meses terminados em agosto, o BNDES desembolsou R$ 61,7 bilhões, mas os projetos aprovados totalizaram, no mesmo período, R$ 89,7 bilhões. "Há um 'gap' (diferença) muito forte entre aprovação e desembolsos", afirmou o presidente. Só em projetos de infra-estrutura, o BNDES aprovou no período R$ 36,9 bilhões, mas desembolsou apenas R$ 20,9 bilhões. Em relação ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a carteira do BNDES tem 145 projetos no total de R$ 108 bilhões, dos quais R$ 61 bilhões serão de recursos do BNDES. Apoios Coutinho disse ainda que dentro da mudança da estrutura de funding do banco que está em andamento, o BNDES vai buscar mais apoio das instituições multilaterais de financiamento. Segundo ele, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) empresta anualmente US$ 1 bilhão e esse montante precisa ser mantido ou elevado. Em relação ao Banco Mundial, o presidente do BNDES disse que participará da reunião anual do Bird e já tem agenda montada para discutir recursos. Além disso, reiterou Coutinho, o BNDES está fechando acordo com o Banco Europeu de Investimentos (BEI), que já ofereceu US$ 400 milhões ao BNDES. Coutinho disse esperar uma quantia acima dessa. O BNDES já enviou missão técnica para o banco na semana passada e agora aguarda uma visita de técnicos do BEI para fechar o acordo. O presidente do BNDES adiantou que o banco europeu de investimentos é o maior financiador de projetos de trens de alta velocidade. "Gostaríamos de ter cooperação técnica nesse campo", disso o presidente do BNDES, mas novamente recusou-se a dar mais detalhes. Grau de investimento A atual crise nos mercados financeiros internacionais pode postergar a conquista pelo Brasil do investment grade, mas as agências de risco devem promover a classificação brasileira até o final do primeiro semestre de 2008. Esta é a expectativa de Coutinho. Ele destacou a melhora de vários indicadores da economia do País. Entre eles, citou as reservas internacionais, que atingiram o patamar de US$ 162 bilhões, e a queda da relação dívida/PIB. "Embora a reforma tributária seja uma necessidade, o fato é que as condições fiscais brasileiras estão sob controle", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Luciano CoutinhoBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.