BNDES prevê liberar R$ 5 bi para o setor de álcool

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve liberar entre R$ 4,5 bilhões e R$ 5 bilhões em recursos para o financiamento do setor sucroalcooleiro em 2008. Os valores representam um aumento de 21,7% a 35,2% sobre o montante de 2007, de R$ 3,697 bilhões. O número previsto é a soma dos recursos destinados pelo banco desde o plantio de cana-de-açúcar até operações como as de financiamento de unidades de co-geração de energia elétrica, passando pela construção e ampliação de usinas.De acordo com o chefe do Departamento de Biocombustíveis do BNDES, Carlos Eduardo Siqueira Cavalcanti, a instituição ainda pode repetir com outras companhias sucroalcooleiras a decisão de participar do capital acionário de usinas. Em janeiro deste ano, por meio da BNDES Participações (BNDESPar), o banco injetou R$ 150 milhões no Grupo Santelisa Vale e adquiriu parte do capital acionário da companhia. "O interesse do BNDES é contribuir para o crescimento da indústria brasileira, e, eventualmente, pode haver alguma participação neste tipo de investimento", disse Cavalcanti.O executivo afirmou ainda que a queda de preços do açúcar e do álcool na safra 2007/2008 e a perspectiva de preços baixos em 2008/2009 ainda não se refletiram nos pedidos de financiamento do setor sucroalcooleiro ao BNDES. "Eventualmente um ou outro projeto pode ser postergado, mas as companhias olham o longo prazo e sempre buscam alternativas no mercado para mitigar possíveis problemas no curto prazo", explicou.O crescimento no volume financiado de até 35,2% previsto para 2008, no entanto, é menos da metade do aumento porcentual ano a ano desde 2004 pelo BNDES. Os R$ 3,697 bilhões liberados em 2007 significaram uma alta de 86% sobre 2006, quando foram liberados R$ 1,987 bilhão. Entre 2004 e 2005 o aumento foi de 81,8% e, entre 2005 e 2006, de 80,3%. O volume liberado de recursos representa contratações feitas, inclusive, em anos anteriores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.