Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

BNDES procura sócio para substituir Eike em fábrica de semicondutores

Ao lado do banco estatal, o grupo EBX é o maior acionista da SIX, com 33,02% de participação cada um

MARIANA DURÃO / RIO, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2013 | 02h15

Dez meses após ser lançada com pompa pelo ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, a SIX Semicondutores está em busca de um sócio para substituir a EBX. Em meio a um processo de reestruturação, o grupo de Eike Batista está disposto a deixar a fábrica de chips eletrônicos e já não tem fôlego (ou interesse) para financiar o projeto, orçado em R$ 1 bilhão.

Ao lado do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a EBX é a maior acionista da SIX. Ambos possuem participação de 33,02% na empresa, que tem como sócias minoritárias IBM (18,08%), Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) (7,2%), Matec Investimentos (6%) e a Tecnologia Infinita WS-Intec (2,6%), do empresário Wolfgang Sauer, idealizador do projeto, falecido em abril.

O grupo EBX procura transferir o negócio a outro investidor. O BNDES também se movimenta para encontrar um substituto ao X do projeto.

Além de aportar R$ 245 milhões para garantir sua fatia na sociedade, o banco aprovou um financiamento de R$ 267 milhões para a fábrica que está sendo construída no município de Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Procurados, a EBX, o BNDES e o governo de Minas Gerais não quiseram comentar o assunto.

O Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, apurou que, até o momento, o BNDES liberou R$ 40 milhões para as obras. A EBX, entretanto, não tem como dar a contrapartida obrigatória ao investimento - algo entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões - nesse momento de crise aguda.

Embora o projeto seja considerado estratégico pelo governo, há resistência dentro do banco de fomento em elevar sua participação na SIX para tapar o buraco deixado pela EBX. A solução, portanto, será mesmo encontrar um novo parceiro. A preferência é por um investidor privado, já que o governo já fez aportes pesados na SIX.

Além do financiamento e da participação acionária do BNDES, a estatal Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) concedeu empréstimo de R$ 202 milhões à fábrica. Desse total, já liberou R$ 33 milhões. Já o mineiro BDMG investiu até agora R$ 16 milhões de um total de R$ 48,2 milhões.

Projeto. A Six Semicondutores vai produzir chips para aplicações industriais e médicas, tendo como diferencial a fabricação de circuitos integrados sob medida. O cronograma do projeto prevê a entrega das obras civis e de infraestrutura, a cargo da Matec, até dezembro. No próximo ano a unidade deverá receber e instalar os equipamentos para iniciar as operações em 2015.

A produção local de semicondutores é um objetivo perseguido pelo governo desde o lançamento da política industrial no início de 2012. Pelos cálculos do planalto, a importação de chips, à época, gerava um déficit comercial de US$ 6 bilhões por ano ao País.

Efeitos. Além do impacto econômico, o curto-circuito por causa da saída da EBX pode ter também um efeito político indesejável. A fábrica da SIX Semicondutores promete criar 300 empregos diretos no Estado de Minas Gerais. Qualquer dificuldade para tirar a unidade do papel poderá ser usada como munição contra a candidatura praticamente certa do ministro Fernando Pimentel ao governo mineiro em 2014, pelo PT.

Por questões de agenda, o ministro substituiu a presidente Dilma Rousseff no lançamento da fábrica, em novembro passado. No evento, Pimentel afirmou que a construção da SIX Semicondutores "significa a entrada das indústrias de Minas Gerais e do Brasil no século 21" e comparou o impacto da fábrica na economia mineira à consolidação da mineração nos anos 1940, da siderurgia nos 1950 e da instalação da indústria automobilística na década de 1970.

O empresário Eike Batista vendeu 177,2 milhões de ações da petroleira OGX nos últimos dias. Essa é a segunda vez que se desfaz de papéis da empresa em uma semana. O volume de ações corresponde a 5,49% do capital social da OGX. Em 28 de agosto, Eike vendeu 49,8 milhões de ações. Na ocasião, a OGX disse que as "vendas fazem parte de processo de aperfeiçoamento da estrutura de capital" e visam cumprir "obrigações financeiras com credores". Desde março, Eike teve sua participação na OGX reduzida em 11,14%. A empresa reitera que Eike não pretende deixar de ser controlador, mantendo fatia acima de 50,01%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.