BNDES quer 'acelerar' acesso de Estados a recursos do banco

BNDES quer 'acelerar' acesso de Estados a recursos do banco

Banco de fomento ainda está definindo quais programas serão incluídos na repactuação dos débitos

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

14 Junho 2017 | 19h29

BRASÍLIA - Um dia após o aceno do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de que vai tirar do papel a renegociação de R$ 50 bilhões em dívidas dos Estados, a instituição de fomento respondeu ao Broadcast que quer "acelerar" o acesso dos governos estaduais aos recursos.

O banco informou ainda que está definindo quais programas serão incluídos na repactuação dos débitos, mas já há a expectativa de que a operação abarque os valores da linha ProCopa Arenas, que financiou a construção e a reforma de estádios para a Copa do Mundo de 2014.

"O BNDES quer acelerar o acesso dos Estados a seus recursos, inclusive pela repactuação de dívidas. Esse encontro será o ponto de partida para a solução de entraves que dificultam o processo de retomada dos desembolsos", afirmou o banco.

Segundo a instituição de fomento, há dois tipos de recursos, "contratados ou em negociação", que podem ter acesso à repactuação. O primeiro é uma carteira de R$ 20 bilhões com garantia da União, cujo refinanciamento já é regido por legislação específica.

LEIA MAIS: PRESIDENTE DO BNDES QUER BLINDAR BANCO EM CPI

"Para a viabilização da renegociação, será necessária a edição de uma resolução do Senado, liberando os estados de certos tetos financeiros. O Conselho Monetário Nacional (CMN) deverá, em sua próxima reunião, alterar a Resolução 3751, que regulamenta limites de endividamento previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal", informou o BNDES.

O outro grupo de recursos, de R$ 30 bilhões, "é relativo a operações diversas, contratadas ou em curso, sobre as quais a atual legislação federal não se aplica", informou o banco.

O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, reuniu-se na manhã desta terça-feira, 13, com a equipe técnica da instituição para elaborar a pré-proposta que foi levada ao encontro com os governadores e o presidente Michel Temer ontem à noite. Para entrar em vigor, essa proposta dependerá de aprovação da Secretaria do Tesouro Nacional, disse o banco.

É nesta fatia de R$ 30 bilhões que estão os recursos do ProCopa Arenas, que liberou aproximadamente R$ 3,5 bilhões aos Estados, segundo o Portal da Transparência da Copa. Antes, não estava prevista a renegociação dos débitos dessa linha. Segundo uma fonte da equipe econômica, nunca houve nenhuma restrição legal para isso. A decisão de não repactuar os débitos referentes aos estádios era uma "questão interna" do BNDES, mas que agora aparentemente está superada, disse a fonte.

Questionado pelo Broadcast, o BNDES não informou se haverá a inclusão de outros programas nesta fase da renegociação. "Os programas que serão incluídos no acordo de renegociação ainda estão sendo definidos", informou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.