BNDES reforça necessidade de crédito privado de longo prazo

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, reiterou nesta sexta-feira a necessidade de estimular o alongamento do crédito concedido por bancos privados.

REUTERS

27 de agosto de 2010 | 15h07

Ele não especificou as medidas em discussão no governo nesse sentido, mas afirmou que o desenvolvimento do crédito privado é fundamental para a manutenção do crescimento das taxas de investimento no Brasil.

"É um processo gradual. Mas é um gradualismo que até agora está sendo lento demais. Temos que pôr um pé nesse acelerador", afirmou Coutinho em palestra promovida pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef SP).

Segundo Coutinho, entre 86 e 87 por cento do crédito de longo prazo no Brasil é oferecido pelo setor público federal, ou seja, BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Sobre a capitalização do BNDES anunciada nesta sexta-feira com a transferência de ações ordinárias da Petrobras pela União ao banco de fomento, Coutinho disse que é uma operação normal que reforça o capital do banco e amplia o seu patrimônio de referência.

Ele negou que a operação tenha o intuito de fortalecer a participação do BNDES na oferta primária de ações da Petrobras, prevista para setembro.

Um decreto publicado nesta sexta-feira autorizou o BNDES e a Caixa a promoverem aumentos em seu capital social em 4,5 bilhões de reais e 2,5 bilhões de reais, respectivamente, por meio da transferência de ações da Petrobras excedentes à manutenção do controle acionário da União..

(Reportagem de Silvio Cascione)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROBNDES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.