Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

BNDES registra lucro de R$ 8,73 bilhões no terceiro trimestre

Venda de ações e a receita com dividendos ajudou no resultado positivo do banco de fomento; nos nove primeiros meses do ano, BNDES registrou lucro de R$ 13,7 bilhões

Vinicius Neder e Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2020 | 20h36

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro de R$ 8,73 bilhões no terceiro trimestre, informou nesta quinta-feira, 12, a instituição de fomento, em nota distribuída à imprensa. Nos nove primeiros meses do ano, o banco registrou lucro líquido de R$ 13,7 bilhões.

“O desempenho, apresentado foi fortemente influenciado pelo resultado obtido com participações societárias, entre elas: a venda de ações de Vale, que contribuiu com um lucro líquido de R$ 4 bilhões; a equivalência patrimonial de empresas coligadas, com R$ 1,2 bilhão; e a receita com dividendos e JCP, de R$ 938 milhões”, diz a nota.

No acumulado de janeiro a setembro, o BNDES destacou que o desempenho foi impactado pela oferta pública de ações da Petrobrás, em fevereiro (R$ 4,1 bilhões), e atenuado pela constituição de provisão para risco de crédito de R$ 1,8 bilhão (R$ 1 bilhão líquido de tributos).

O ativo do Sistema BNDES totalizou R$ 764,4 bilhões em 30 de setembro de 2020, uma alta de 5,0% (R$ 36,2 bilhões) nos primeiros nove meses do ano. O banco de fomento informa que o incremento resultou, principalmente, do ingresso de R$ 22 bilhões em recursos do Tesouro Nacional (sendo R$ 4,8 bilhões já aplicados), no âmbito do Programa Emergencial de Suporte a Empregos (PESE) e do Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC), além da apropriação de variação cambial e juros da carteira de crédito e repasses, de R$ 39 bilhões.

Esses fatores, diz o BNDES, foram atenuados pela transferência da totalidade do saldo de R$ 20,7 bilhões do Fundo PIS/Pasep para o FGTS no segundo trimestre, o que viabilizou saques emergenciais dos trabalhadores, e pela desvalorização da carteira de empresas não coligadas em R$ 11,5 bilhões.

O BNDES destacou ainda que houve reversão bruta de R$ 469 milhões em provisões no terceiro trimestre, decorrente da evolução positiva de créditos provisionados. 

Desinvestimento

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, afirmou que a instituição de fomento manterá sua estratégia de continuar se desfazendo de sua carteira de participações societárias, após as vendas recentes de fatias bilionárias da mineradora Vale e da fabricante de celulose Suzano, mas seguirá vendendo sem “canibalizar” o mercado.

“Vamos continuar executando estratégia de desinvestimentos de forma a não canibalizar, não machucar o mercado, de forma cuidadosa, sempre com o mercado comprando as posições, mais do que o BNDES vendendo”, afirmou Montezano. “Não podemos dar estimativas ou previsões porque o mercado continua volátil. Mudanças súbitas podem acontecer”, completou o executivo.

A carteira de participações societárias do BNDES encerrou o terceiro trimestre avaliada em R$ 71,2 bilhões. O valor da carteira encolheu 37,8% nos nove primeiros meses deste ano, quando foram feitas vendas bilionárias de participações na Petrobrás, na Vale e na Suzano.

A oferta de ações da Suzano foi feita em outubro e, portanto, terá efeitos no balanço financeiro do quarto trimestre. No fechamento da última segunda-feira, 9, a carteira de participações societárias estava avaliada em R$ 70,3 bilhões, já considerando a venda de Suzano, que marcou a saída do BNDES da companhia, e a variação das cotações desde o início deste quarto trimestre, informou a diretora financeira do banco, Bianca Nasser.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.