Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

BNDES suspende pedidos de financiamento pela Finame

Medida foi tomada por causa da corrida dos bancos comerciais que intermedeiam as operações para aproveitar as taxas de juros reduzidas a 5,5% ao ano

Alexandre Rodrigues, da Agência Estado,

25 de fevereiro de 2011 | 12h04

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu o recebimento de pedidos de financiamento para a aquisição de máquinas e equipamentos por meio da linha de crédito Finame, comtemplada com juros subsidiados do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). A suspensão a mais de um mês do fim do prazo oficial do programa foi determinada pelo superintendente de Operações Indiretas do BNDES, Cláudio Bernardo, em circular datada do último dia 22.

A medida foi tomada por causa da corrida dos bancos comerciais que intermedeiam as operações para aproveitar as taxas de juros reduzidas a 5,5% ao ano com equalização do Tesouro Nacional que valem até o dia 31 de março, prazo final da atual vigência do PSI. Com a informação confirmada pelo governo de que o programa será prorrogado até dezembro, mas com elevação das taxas para reduzir o seu custo fiscal, tomadores e bancos tentam adiantar operações.

Como não pode ultrapassar a dotação orçamentária do PSI de R$ 134 bilhões, parte dos empréstimos de R$ 180 bilhões do Tesouro recebidos pelo BNDES nos últimos dois anos, o banco decidiu suspender o protocolo de novas operações "em razão da necessidade de controle de comprometimento de recursos orçamentários", informou a circular.

Até 21 de fevereiro, a carteira comprometida do PSI já somava R$ 130 bilhões, sendo R$ 122 bilhões já aprovadas. Com cerca de R$ 8 bilhões em análise, o BNDES decidiu suspender as operações ao identificar uma demanda adicional dos bancos de cerca de R$ 4 bilhões.

Nos próximos dias, os técnicos do BNDES farão uma avaliação dos pedidos já protocolados para equilibrar a distribuição dos recursos entre os bancos repassadores e avaliar a possibilidade de reabertura das linhas antes do prazo final de março. No entanto, a circular do BNDES informa que a homologação dos pedidos de financiamento já protocolados até a última terça está condicionada ao limite orçamentário do programa.

No início do mês, o governo havia autorizado o BNDES a remanejar os limites da linhas de financiamento com juros subsidiados do PSI para enquadrar o crédito emergencial de R$ 400 milhões criada para o empreendedores da Região Serrana do Rio, que sofreu com fortes chuvas no mês passado.

As taxas reduzidas a 5,5% ao ano na maioria das linhas contempladas pelo PSI são equalizadas pelo Tesouro Nacional e fizeram mais do que dobrar a demanda por crédito no BNDES para a compra de máquinas e equipamentos no ano passado. O PSI também contempla linhas de crédito para exportação e inovação.

Sob pressão da indústria de bens de capital, o governo concordou em prorrogar os incentivos, mas com elevação das taxas. Para manter o PSI, o BNDES deverá receber um novo empréstimo do Tesouro Nacional este ano, provavelmente em torno de R$ 50 bilhões. A definição do empréstimo e das novas taxas do PSI é esperada para a próxima semana.

#ET
Tudo o que sabemos sobre:
BNDESFinameTesouro Nacionaljuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.