José Lucena/Futura Press
José Lucena/Futura Press

bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

BNDES tenta atrair estrangeiros para concessão de serviços de água e esgoto no Rio

Executivos do banco projetam investimentos de R$ 33,5 bi em 35 anos com transferência de serviços da Cedae

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2020 | 05h00

RIO - Executivos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) demonstraram confiança, em seminário online realizado ontem, na participação de operadores estrangeiros do setor de saneamento básico e de grupos internacionais de investimento, como fundos soberanos e de pensão, na concessão dos serviços de água e esgoto no Estado do Rio. Caso não haja interesse privado por algum dos quatro blocos de concessão previstos na concessão, a Cedae, estatal de saneamento, seguirá prestando os serviços.

Colocado em consulta pública no último dia 9 pelo governo fluminense, o projeto, modelado pelo BNDES, prevê investimentos de R$ 33,5 bilhões em 35 anos. O leilão estava inicialmente previsto para dezembro, mas deverá atrasar.

A concessão foi desenhada no modelo de “filé e osso”. Os 64 municípios atendidos atualmente pela Cedae foram divididos em quatro áreas. Incluída no grupo, a capital fluminense também foi dividida em quatro. Assim, os serviços serão concedidos em quatro blocos, cada um deles formado por um “filé” da capital e um “osso” das regiões mais pobres e com pior estrutura da saneamento.

Pelo modelo apresentado, a Cedae não será privatizada, continuará como estatal, responsável pela captação e tratamento da água. As futuras concessionárias, responsáveis pela distribuição da água tratada até os imóveis, pela coleta do esgoto e por seu tratamento, terão de comprar a água tratada da Cedae.

Regras

Um mesmo investidor poderá arrematar mais de um bloco de concessão. Caso não haja interessados por algum dos quatro blocos, a Cedae continuará prestando os serviços de distribuição de água e coleta de esgoto – além do tratamento da água – na área preterida, explicou o chefe do Departamento de Concessões e PPPs do BNDES, Guilherme Albuquerque.

O superintendente de Concessões do BNDES, Cleverson Aroeira, disse que o banco de fomento tem mantido contato com investidores em potencial, incluindo aí não só os “principais operadores do País”, mas “muito mais do que eles”, já que apenas 5% dos municípios brasileiros têm concessão à iniciativa privada dos serviços de água e esgoto.

“Precisamos atrair investidores muito capitalizados e interessados em prestar o serviço”, afirmou Aroeira, em apresentação transmitida ao vivo pela internet, promovida pelo movimento Sanita Rio, dedicado a promover a necessidade de investimentos em saneamento básico.

O superintendente do BNDES citou “operadores espanhóis, franceses e asiáticos”, além de “grandes grupos de investimento, como fundos soberanos e fundos de pensão”, como investidores em potencial.

“Estamos buscando esses investidores, batendo na porta deles, mostrando que fizemos contrato com muita segurança jurídica”, afirmou Aroeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.