BNDES: venda de ações por FGTS mudará

O governo poderá mudar os critérios adotados na venda de ações da Petrobras aos trabalhadores com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para suas próximas ofertas pulverizadas - a privatização de Furnas e a venda da participação acionária do governo na Vale do Rio Doce. A possibilidade foi admitida à Agência Estado pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Francisco Gros. "Para Furnas e a para a participação de cerca de 30% que o governo ainda tem na Vale, os critérios para uso do FGTS podem ser outros", afirmou Gros.As possíveis alterações serão precedidas da avaliação dos resultados desta colocação de ações da Petrobras no varejo, que vai até segunda-feira, explicou. O presidente do BNDES disse que esses resultados só serão conhecidos na próxima semana e não deu os números exatos da venda até agora. No entanto, afirmou que seguramente a compra de ações com recursos do Fundo já superou R$ 1 bilhão e constitui a maior venda de ações já feita no Brasil. Ele disse que nos grandes lançamentos, o mercado local responde por apenas entre 10% e 15%, incluindo os investidores institucionais, que não estão contados no caso do FGTS. Além disso, lembrou, é a primeira vez que se oferece ações ao trabalhador. Para o presidente do BNDES, os incentivos ao uso do FGTS na compra de ações da Petrobras atingiu seu objetivo de trazer muita gente para investir na bolsa de valores pela primeira vez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.