BNDES vende ações da Brasil Ferrovias por R$ 1 bilhão

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aderiu à operação de incorporação da Brasil Ferrovias pela América Latina Logística (ALL). Segundo nota divulgada nesta quinta-feira, a operação prevê a troca a totalidade da participação do banco na Brasil Ferrovias por ações da ALL negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Com a negociação, que ficou acordada em R$ 1 bilhão, será criada a maior operadora de logística ferroviária da América Latina. Com a reestruturação, o controle acionário da Brasil Ferrovias e da Novoeste passa a ser exercido pela ALL S.A., holding que controla a ALL do Brasil S.A., operadora da malha sul concedida pela União em 1996, e da ALL Argentina, concessionária da malha argentina. Segundo a nota, com a incorporação da Brasil Ferrovia, a nova empresa terá acesso ao mercado do Centro-Oeste com saídas exportadoras aos portos de Santos (SP), Paranaguá (SC), São Francisco do Sul (SC) e Rio Grande (RS), além dos de Buenos Aires e Rosário (Argentina), que estão entre os maiores dos dois países. A ALL operará uma malha de mais de 20 mil quilômetros de extensão, com uma frota de 960 locomotivas e 27 mil vagões.Ainda segundo o BNDES, a Brasil Ferrovias controla a Ferronorte e a Ferroban, concessionárias do sistema que liga o Mato Grosso ao Porto de Santos, enquanto a Novoeste possui a concessão para operar entre Mato Grosso do Sul e o Porto de Santos. A demanda do sistema deve superar 40 milhões de toneladas em 2007. A operação é fruto da alienação das ações de Brasil Ferrovias e Novoeste realizada pela Angra Partners, representante dos acionistas do Fundo de Pensão dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ), Fundo de Pensão dos Funcionários da Caixa Econômica Federal (Funcef) e JP Morgan, e resulta na troca de ações destas empresas por ações da ALL, à qual a BNDESPAR decidiu aderir. Os acionistas de Brasil Ferrovias e Novoeste passam a deter 20% do capital total da ALL, tornando a Brasil Ferrovias e a Novoeste subsidiárias integrais.Com a adesão, a BNDESPAR, subsidiária do banco para a área de mercado de capitais, deterá em torno de 12,77% do capital total da nova ALL, com ações a valor de mercado superior a R$ 1 bilhão, gerando um ganho de capital ao banco de cerca de R$ 150 milhões. A operação permitiu que o BNDES recuperasse a totalidade de seus créditos com a Brasil Ferrovias, que somavam cerca de R$ 1,7 bilhão. Agora, toda esta dívida será assumida pela ALL.

Agencia Estado,

11 de maio de 2006 | 13h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.