Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

BNDES voltará a financiar Petrobrás, afirma executivo

Petroleira também espera refinanciar a dívida com vencimento nos anos de 2018, 2019 e 2020

Fernanda Nunes e Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2017 | 20h29

A Petrobrás espera refinanciar a dívida com vencimento nos anos de 2018, 2019 e 2020. No próximo ano, a dívida de R$ 9,3 bilhões deve cair para cerca de R$ 8 bilhões, segundo o diretor Financeiro da companhia, Ivan Monteiro.

Ao participar de coletiva de imprensa para anunciar o resultado do segundo trimestre, o executivo informou ainda que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) voltará, em breve, a financiar a petroleira.

"Fizemos pagamentos expressivos para o BNDES e agora podemos voltar a operar. Uma linha que a gente espera utilizar o mais rápido possível é de Finame", afirmou Monteiro. A intenção é contratar de R$ 800 milhões a R$ 1 bilhão somente em operações de Finame nos próximos seis meses, quando a liberação do banco público para a estatal deve chegar a R$ 2 bilhões.

Apesar do otimismo com o acesso a novas fontes de recursos, a avaliação de Monteiro é que o endividamento da Petrobras ainda é alto. Por isso, ressaltou, a empresa seguirá com o programa de desinvestimento que prevê a venda de US$ 21 bilhões até o fim de 2018. Ao todo, a estatal dispõe de cerca de US$ 40 bilhões em ativos disponíveis para venda, mas nem todo esse volume deve ser alienado.

++ TCU vai decidir punição a Joesley por prejuízo ao BNDES na compra de frigorífico

O diretor financeiro disse estar consciente da influência das eleições presidenciais de 2018 no programa de desinvestimento, já que um possível retorno do PT ao governo poderá representar uma mudança de rumo estratégica. Ainda assim, a meta de desinvestimento está mantida. "Temos operações importantes de venda para anunciar no segundo semestre", acrescentou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.