BNP Paribas decide fechar operações em paraísos fiscais

Decisão segue sugestão do presidente Nicholas Sarkozy, que pede cumprimento dos critérios da OCDE

NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

28 de setembro de 2009 | 11h25

O banco francês BNP Paribas anunciou nesta segunda-feira, 28, que vai fechar as operações em paraísos fiscais que não estão de acordo com os critérios internacionais de transparência. "Nós decidimos fechar nossas subsidiárias" em paraísos fiscais que aparecem na lista da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE) de países que não cooperam, disse o executivo-chefe do banco, Baudouin Prot, em entrevista à rádio francesa Europe 1.

 

Veja também:

linkSuíça é retirada da lista de paraísos fiscais da OCDE 

Prot observou, no entanto, que a composição da lista muda o tempo todo. Na mais recente, o BNP Paribas, maior banco da França em valor de mercado, tinha cerca de seis subsidiárias em paraísos fiscais, incluindo o Panamá. A decisão do banco segue a sugestão dada no começo do mês pelo presidente da França, Nicholas Sarkozy, de que o país poderia pedir aos bancos domésticos para fechar as unidades sediadas em países que se recusam a cumprir os critérios da OCDE de transparência fiscal.

Prot também reiterou a intenção do BNP Paribas de começar a reembolsar a ajuda financeira recebida do governo da França antes do final de junho de 2010. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bancoBNP Paribasparaíso fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.