Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Boatos sobre cenário eleitoral derrubam Bolsa e fazem dólar subir nesta terça-feira

Rumores envolvendo um desempenho negativo de Geraldo Alckmin na pesquisa eleitoral a ser divulgada na quarta-feira, 8, fizeram a Bolsa recuar quase 1% (0,87%) e dólar fechar em alta de 0,89%

O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 17h50

A agenda política voltou a impactar negativamente os mercados nesta terça-feira, 7. Rumores envolvendo um suposto desempenho negativo do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, na pesquisa eleitoral a ser divulgada na quarta-feira, 8, fizeram a Bolsa recuar quase 1% (0,87%), abaixo do patamar de 81 mil pontos. O dólar, que seguia em queda até a metade do dia, fechou em alta de 0,89%, cotado a R$ 3,7667.

Segundo profissionais nas mesas de operação do mercado financeiro, não houve fatos concretos para justificar a piora dos ativos domésticos, mas circulavam boatos de que o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, teria tido desempenho ruim na pesquisa eleitoral realizada pelo instituto MDA, a pedido da Confederação Nacional do Transporte (CNT), com eleitores de São Paulo. O levantamento será divulgado nesta quarta-feira, 8, às 11h.

Movimento na Bolsa foi de R$ 11,9 bilhões

O Ibovespa fechou o pregão em baixa de 0,87%, aos 80.346,52 pontos, mas chegou a descer aos 79.923,07 pontos na mínima do dia. O giro financeiro, nome que se dá ao volume de compra e venda de ativos durante o dia na Bolsa, foi de R$ 11,9 bilhões.

De acordo com José Faria Junior, diretor da Wagner Investimentos, rumores de que o candidato pelo PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, pode aparecer mais prejudicado em pesquisa eleitoral a ser divulgada nesta quarta fez com que os investidores se posicionassem na defensiva. "Como é uma pesquisa sobre como vota o eleitor em São Paulo, o Estado dele, isso é muito importante", afirmou.

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulga amanhã, às 11h, a pesquisa CNT/MDA sobre intenções de voto para presidente da República, governador e senador em São Paulo. A pesquisa, registrada no TSE sob o número SP-04729/2018, realizou 2.002 entrevistas, distribuídas em 75 municípios de todas as regiões do Estado, entre os dias 2 e 5 de agosto. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

"Vamos ver o que temos para amanhã concluir o movimento, mas notamos que a Bolsa está tentando parar em pontos de suporte de curto prazo. Se furar 80 mil, aumentam as chances de cair a 78 mil", disse o profissional.

Sistema seguro

Procurada, a CNT rechaçou a possibilidade de um vazamento da pesquisa.  Segundo sua assessoria de imprensa, a empresa diz que emprega sistemas de contenção e controles considerados seguros há mais de uma década. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.