Boeing 787 fará voo teste neste domingo após suspensão de 3 meses

Aviões estavam parados desde janeiro, quando bateria chegou a pegar fogo no Japão; novo sistema foi instalado

Economias & Negócios

26 de abril de 2013 | 18h28

Um dos 787 Dreamliner da All Nippon Airways (ANA), companhia aérea japonesa, tem voo teste marcado para este domingo, 28. O modelo da Boeing está proibido de voar em todo o mundo desde janeiro, após sequência de seis incidentes em menos de sete dias.

O motivos das panes foi o superaquecimento das baterias de íon-lítio da fábrica. O mais grave do casos ocorreu em 16 de janeiro. Após meia hora de viagem, foi necessário um pouso de emergência em Takamatsu, no Japão. A cabine dos pilotos foi invadida pela fumaça.

Apenas a ANA possui 17 modelos 787. Estima-se que a somente a ANA, nas duas últimas semanas de janeiro, perdeu US$ 868,3 mil em receita por avião parado.

Hoje, ao todo, são 50 modelos 787 distribuídos por companhias de todo o mundo.

O voo teste da ANA dependia de aprovação de autoridades americanas e japonesas. A aprovação da Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA, em inglês) veio na quarta-feira, 25. O novo sistema de baterias para o 787 foi considerado satisfatório.

Portanto, após suspensão de três meses, companhias aéreas podem começar a realizar voos. O teste deste domingo será o primeiro de 230 programados pela ANA antes de permitir o transporte de passageiros.

Na semana passada, a FAA deu permissão a Boeing para começar a instalar o novo sistema de baterias em aviões. A empresa espera retomar as entregas de novos aviões também em maio. A adaptação de todos os 50 Dreamliners 787 deve ocorrer até o início de junho.  

(Com agências internacionais.) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.