REUTERS/Matt Mills McKnight
REUTERS/Matt Mills McKnight

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Boeing avalia desistir de união com Embraer, diz jornal inglês

Segundo o 'Financial Times', perto do fim do prazo para companhias desistirem do acordo, fabricante dos EUA ainda analisa o acordo em meio à crise da aviação global

Célia Froufe, correspondente, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2020 | 15h26

LONDRES - O plano da Boeing de adquirir o negócio de jatos regionais da Embraer no Brasil ficou sob risco nesta sexta-feira, 24, segundo a versão online do jornal britânico Financial Times. Os dois lados discutiram as condições associadas à união de bilhões de dólares poucas horas antes do prazo que dá a cada uma das companhias o direito de desistir do acordo. 

O jornal britânico disse que o fabricante de aeronaves dos Estados Unidos pondera se abandonará o pacto em meio a gastos também de bilhões de dólares com a crise da aviação global e com problemas em seu modelo 737 Max.

Pessoas próximas ao assunto disseram à publicação que nenhuma decisão seria tomada até que o prazo desta sexta terminasse, mas um anúncio poderia chegar assim que o fim de semana chegar. 

O período faz parte de um contrato assinado em janeiro entre as partes e que estabeleceu um cronograma para os dois lados cumprirem determinadas condições. Se a Boeing decidir desistir em vez de estender o acordo, é esperado que cite a falha da Embraer em cumprir certos termos como a razão do abandono do acordo, conforme as fontes. 

A aprovação do negócio pela União Europeia (UE) também ainda está pendente. A apreciação vem sendo postergada mês a mês desde outubro do ano passado e agora a próxima data prevista é agosto. 

Analistas comentaram que a Boeing tinha um grande estímulo para desistir no negócio. "É uma questão de liquidez", disse Ron Epstein, analista do Merrill Lynch do Bank of America, ao FT. "A Boeing está em posição de gastar US$ 4,2 bilhões em uma aquisição, considerando o que está acontecendo no mercado mais amplo da aviação comercial?", questionou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.