Randall Hill/Reuters - Arquivo 31/03/2017
Randall Hill/Reuters - Arquivo 31/03/2017

Boeing enfrenta novo defeito em aviões da linha 787

Problema envolve peças de titânio que são mais fracas do que deveriam ser; reguladores já têm mantido uma supervisão mais rigorosa em outro modelo utilizado pela companhia, o 737 MAX, após dois acidentes, em 2018 e 2019

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2021 | 12h52

NOVA YORK - A Boeing está lidando com um novo defeito em seu 787 Dreamliner, o mais recente em uma série de erros de produção que atrasaram as entregas de aeronaves e aumentaram o escrutínio do governo dos Estados Unidos. Com a notícia, as ações da empresa têm queda na Bolsa de Nova York.

O novo problema envolve peças de titânio que são mais fracas do que deveriam ser em aviões 787 construídos nos últimos três anos, disseram pessoas a par do assunto. A descoberta se junta a uma série de questões do Dreamliner que deixaram a Boeing com mais de US$ 25 bilhões em jatos presos em seu estoque. 

O problema é uma nova evidência de que a fabricante de aviões ainda está tentando consertar suas operações de fabricação, apesar de uma pressão de quase dois anos do CEO David Calhoun para restaurar a reputação da Boeing na construção de jatos de qualidade.

Além disso, a Administração Federal de Aviação (FAA) americana está investigando os controles de qualidade da Boeing. A empresa reconheceu que não resolveu o problema do lixo que sobra do processo de produção.

Reguladores já têm mantido uma supervisão mais rigorosa em outro modelo utilizado pela companhia, o 737 MAX, após dois acidentes, em 2018 e 2019. As quedas deixaram 346 mortos e foram atribuídas em grande parte ao projeto defeituoso da Boeing de um sistema de controle de voo, que lançou os jatos em trajetórias descendentes fatais.

Um porta-voz da Boeing disse que a empresa está progredindo na melhoria da produção e elevando seus próprios padrões, apesar das interrupções operacionais. "Fortalecemos nosso foco na qualidade e incentivamos constantemente todos os membros de nossa equipe e cadeia de suprimentos a levantarem quaisquer questões que precisem de atenção", disse o porta-voz. "Quando as questões são levantadas, é uma indicação de que esses esforços estão funcionando." / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.