Boi Gordo: credor não deve trocar CIC por ações

Os credores da Fazendas Reunidas Boi Gordo S. A. não devem trocar os Contratos de Investimento Coletivo (CICs) por ações da Global Brasil, empresa criada para administrar os créditos da concordata da empresa. Esse é o conselho de advogados que acompanham de perto a concordata da Boi Gordo. Segundo eles, é preciso ter muito cuidado para não arcar com um prejuízo maior. Ao fazer a troca dos CICs por ações, os credores devem renunciar à concordata, na qual já estão habilitados para receber pelo investimento. Sem contar que a Global Brasil ainda não tem autorização da Comissão de Valores Imobiliários (CVM) para emitir e distribuir publicamente ações, conforme deliberação da entidade, em 10 de abril deste ano, publicada no Diário Oficial da União. No entanto, a Global Brasil entrou com um recurso na CVM para que essa decisão seja reconsiderada.A proposta da Global é de trocar os CICs por ações preferenciais desde que o credor faça um aporte de capital equivalente a 2,5% do valor dos contratos. Por essa razão, o advogado e presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil, seção São Paulo (OAB-SP), Nelson Miyahara, discorda dessa estratégia. "O credor deverá desembolsar mais um pouco para receber ações de uma empresa correndo o risco de perder também esse dinheiro, além do que já foi investido na Boi Gordo. É uma expectativa totalmente indefinida."Segundo a advogada Márcia Giangiacomo Bonilha, é preciso admitir o risco de não receber na concordata, que não é pequeno. "Mas o risco de trocar as CICs por ações é muito maior", reitera. Ela explica ainda que, ao realizar a troca, o credor deverá deixar a concordata - sem nada receber no processo- e pagar para se tornar acionista de um empresa que nem conhece. "E quem vai substituí-lo no processo, de posse desses CICs, é a própria empresa. Qual o interesse?", questiona.Outras considerações devem ser feitas pelo credor, de acordo com Márcia Giangiacomo. "É importante verificar exatamente a atividade da Global Brasil, a idoneidade da empresa, quem gerencia o negócio, por que a CVM não autorizou a emissão das ações ainda, quanto vai receber com essa troca e de que forma."Veja na matéria do link abaixo mais detalhes sobre a concordata da Boi Gordo e a razão pela qual o depósito da primeira parcela não foi feito no prazo definido anteriormente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.