finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Boi Gordo pede concordata

A empresa Fazendas Reunidas Boi Gordo S. A. entrou com um pedido de concordata preventiva ontem na Justiça do Estado de Mato Grosso. O pedido foi protocolado no Juízo da Vara da Comarca de Comodoro, Mato Grosso, onde está localizada a sede da empresa, e o processamento do pedido foi determinado.A Boi Gordo informa que todos os seus parceiros receberão, dentro de, no máximo 45 dias, correspondências com informações a respeito da habilitação dos créditos e solicita que aqueles que não forem procurados telefonem para a central de atendimento (0800-125966).A empresa afirma que honrará suas obrigações e alega dificuldades já conhecidas pelos seus parceiros para a concordata, em especial o longo período - cinco meses - que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) demorou para avaliar o pedido de reserva de subscrição. Os desequilíbrios financeiros decorrentes, segundo a empresa, seriam provisórios. A Boi Gordo também argumentou que seu plano de lançamento de ações no mercado foi frustrado pelos ataques terroristas aos Estados Unidos em 11 de setembro e suas conseqüências nas bolsas de valores.Leia mais a seguir sobre as conseqüências da concordata para os detentores de contratos coletivos de parceria de engorda.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2001 | 20h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.