'Boi que cruzar lado brasileiro será abatido'

Segundo a secretária de Desenvolvimento Agrário de Mato Grosso do Sul, principais pontos estão sendo monitorados

PONTA PORÃ , O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2011 | 03h06

Gado paraguaio que passar a linha de fronteira para o lado brasileiro será abatido, disse na sexta-feira a secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul (Seprotur), Tereza Cristina da Costa Dias, após ser informada de que havia bois entrando livremente no Brasil.

Segundo ela, criadores paraguaios têm o hábito de manter bois soltos na faixa de fronteira e, embora se tratem de animais vacinados - "é o gado mais vacinado do mundo" -, o Estado não pode correr riscos de voltar a ter a febre aftosa. "Se entrar do lado brasileiro, nós vamos abater."

A secretária reconheceu ser "complicadíssimo" manter a presença constante de fiscais ao longo de uma fronteira seca de quase 700 quilômetros. "Mas nós estamos nos pontos estratégicos e, agora, contamos com o apoio do Exército, com cerca de dois mil homens. Até quinta-feira as tropas estavam na região de Porto Murtinho a Ponta Porã, mas hoje (sexta-feira) já estão na parte que vocês (a reportagem) percorreram."

A secretária reiterou que há 15 patrulhas na região e que as equipes entram também nas propriedades. "Nos pontos mais críticos temos até um pessoal descaracterizado do Departamento de Operações de Fronteira, fazendo um trabalho de inteligência, justamente para atacar os pontos mais preocupantes." De acordo com a secretária, o Exército tem imagens em tempo real de toda a movimentação na região.

Os pontos críticos estão sendo monitorados. "Agora está todo mundo alerta, mas o problema será daqui a uma ou duas semanas, quando há um relaxamento natural. Temos de ficar atentos." Ela informou que, na sexta-feira, o governo do Estado baixou decreto proibindo também, por tempo indeterminado, a entrada de produtos vegetais provindos do Paraguai, incluindo a soja. "Estamos agindo com toda a cautela." / J.M.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.