Bolívia acusa empresa brasileira de violar normas ambientais

O ministro boliviano de Planejamento para o Desenvolvimento, Carlos Villegas, considerou ilegal a obra iniciada pela empresa brasileira MMX, filial da EBX, no município de Puerto Quijarro, publicaram nesta sexta-feira os jornais da cidade de Santa Cruz. A companhia construía uma indústria siderúrgica na região, o que, segundo a Bolívia, teria um impacto ambiental muito grande para o ecossistema local. A obras foram iniciadas há nove meses na fronteira da Bolívia com o Brasil, em um investimento total avaliado em US$ 220 milhões. As autoridades bolivianas alegam que a EBX quis enganar aquele país ao instalar-se na zona franca da região para evadir impostos. Manifestação A medida do governo é rejeitada pelos moradores locais, que na última quinta-feira realizaram uma manifestação exigindo uma resposta sobre a licença solicitada pela empresa brasileira. A população ainda ameaçou adotar outras medidas enérgicas na próxima semana. A jazida de Mutún, a maior na América do Sul, tem reservas de 40 bilhões de toneladas de minério de ferro, a maior parte na forma de hematita. Os interessados em explorar a área são a própria EBX, a britânico-holandesa Mittal Steel, a indiana Jindal Steel and Power, o consórcio argentino Siderar-Techint e a chinesa Luneng Shandong.

Agencia Estado,

14 Abril 2006 | 14h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.