Bolívia e Argentina assinarão acordo sobre gás

Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e da Argentina, Néstor Kirchner, assinarão na semana que vem um novo acordo de compra e venda de gás natural no município de Hurlingham, onde reside o maior número de imigrantes bolivianos da província de Buenos Aires.O chanceler boliviano, David Choquehuanca, informou nesta terça-feira que o lugar onde o documento será assinado em 29 de junho foi estipulado durante a visita dos vice-ministros bolivianos de Exteriores, Mauricio Dorfler, e de Coordenação Governamental, Héctor Arce, à capital argentina no fim de semana passado.Segundo o ministro de Exteriores, os líderes também assinarão um projeto para a construção de uma ponte na fronteira e um convênio de cooperação migratória.Espera-se que 15 mil bolivianos e cerca de vinte mil cidadãos argentinos participem do ato em Hurlingham, afirmou Choquehuanca.O alto funcionário boliviano evitou revelar os detalhes do novo contrato de compra e venda de gás, como o volume e o novo preço.Contratos Atualmente, a Argentina tem contratos assinados para importar até 7,7 milhões de metros cúbicos diários de gás a um preço de US$ 3,35 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), que as autoridades bolivianas querem aumentar para US$ 5,5.O convênio, segundo adiantaram as autoridades bolivianas, imporá restrições com o objetivo de que a Argentina não revenda o hidrocarboneto ao Chile, país com o qual a Bolívia não tem relações diplomáticas desde 1978, devido a uma disputa territorial.O chanceler chileno, Alejandro Foxley, qualificou esse tipo de posição com um dos "elementos hostis" que podem estragar o diálogo bilateral sem exclusões buscado por La Paz e Santiago.Choquehuanca afirmou abertamente que essa era "uma preocupação natural do Chile", mas acrescentou que o gás boliviano é destinado a atender a demanda do mercado argentino.No entanto, disse que enquanto o conteúdo final do acordo energético boliviano-argentino não foi divulgado, "não se pode especular nada" a respeito, e deve-se esperar até a quinta-feira, dia 29.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.