seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Bolívia e Argentina negociarão amanhã novo preço do gás

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou hoje que o Governo terá nesta segunda-feira uma "grande briga" com o da Argentina para convencê-lo a pagar US$ 2 a mais pelo gás que importa, um valor US$ 0,50 acima do aceito por Buenos Aires.Morales afirmou que o ministro de Planejamento Federal da Argentina, Julio De Vido, chegará nesta segunda-feira a La Paz para se reunir com o vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, e definir o novo preço do gás.A Argentina paga atualmente US$ 3,35 dólares por milhão de BTUs (Unidade Térmica Britânica), um preço que La Paz pretende elevar a US$ 5,5, enquanto o Governo de Néstor Kirchner propôs pagar US$ 5.Na localidade de Caracollo, ao sul de La Paz, Morales disse que no sábado falou por telefone com Kirchner e pediu a ele que aumente em US$ 2 o preço atual."Nosso vice-presidente tem uma grande briga amanhã. Eles têm que nos pagar US$ 2 a mais", disse Morales, ressaltando que, por enquanto, a Argentina só aceita um aumento de US$ 1,5.A Argentina tem acordos com a Bolívia para importar até 7,7 milhões de metros cúbicos diários de gás, através de contratos que expiram este ano, mas tenta ampliar esses convênios e aumentar os volumes no futuro em outros 20 milhões de metros cúbicos.A visita de De Vido a La Paz é esperada há vários dias e foi adiada duas vezes devido às dificuldades encontradas na negociação porque Kirchner queria que o Chile participasse das conversas, admitindo que o gás boliviano ajuda a Argentina a cumprir seus compromissos com Santiago.Bolívia não quer incluir o Chile nas negociações porque sua política é usar o gás natural como uma arma em um eventual diálogo com Santiago destinado a recuperar a saída para o oceano Pacífico, perdida em uma guerra com tropas chilenas no fim do século XIX.O outro grande importador do gás é o Brasil. A Petrobras recebeu na sexta-feira uma notificação oficial da Bolívia para iniciar na próxima semana a negociação que também deve levar ao aumento do preço atual de US$ 3,40 por milhão de BTUs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.