Bolívia e Espanha decidem iniciar negociações sobre Repsol YPF

Os Governos de La Paz e de Madrid entraram em acordo hoje para iniciar uma negociação sobre a presença da empresa hispano-argentina Repsol YPF na Bolívia, depois da nacionalização decidida pelo presidente Evo Morales. O entendimento foi anunciado pelo secretário de Estado de Assuntos Exteriores da Espanha, Bernardino León, após se reunir hoje com Morales no Palácio do Governo de La Paz.León disse que as autoridades bolivianas assumiram o compromisso de oferecer garantias e segurança jurídica a um processo que será desenvolvido "no mais alto nível". O representante espanhol se reuniu com o líder da Bolívia horas depois de chegar ao país à frente de uma comitiva enviada pelo Governo de Madri.León reiterou que a Espanha deseja esgotar a via diplomática para alcançar um pleno acordo com a Bolívia e ressaltou que existe "plena sintonia entre os dois Governos". "Respeitamos a decisão tomada" e que já tinha sido anunciada na campanha eleitoral de fins do ano passado, quando Morales era ainda candidato do Movimento Ao Socialismo, acrescentou.Segundo indicou Bernardino León, o processo de discussão estabelecido hoje com o líder boliviano coincidirá com o prazo de 180 dias fixado pelo decreto presidencial de 1º de maio para que as petrolíferas se adaptem às novas regras do jogo.Questionado sobre se o Governo influirá na decisão da Repsol YPF, o secretário de Exteriores espanhol respondeu que "a decisão corresponde às próprias empresas" (em possível referência às outras petrolíferas estrangeiras atuando em solo boliviano), embora a esperança de Madri "é de que a empresa permaneça ali e continue trabalhando pela e para a Bolívia".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.