Bolívia está dividida sobre nacionalizar gás, diz jornal

O jornal britânico Financial Times afirma nesta sexta-feira que "os bolivianos estão divididos sobre a nacionalização do setor de gás" do país. De acordo com o jornal, desde que o presidente do país, Evo Morales, tomou a medida de nacionalizar as reservas de gás, o governo vem exibindo comerciais nas TVs bolivianas que destacam o anúncio de Morales, seguido da mensagem "Evo cumpre".O jornal descreve a situação em San Alberto, que abriga uma usina de gás que "abastece boa parte da demanda de São Paulo e que, há um ano, era administrada pela Petrobras e pagava um imposto de 18%".De acordo com o FT, a partir desta semana os impostos subiram para 82%, o que leva o jornal a concluir que "não é à toa" que Evo Morales anunciou a decisão de nacionalizar as reservas de gás em San Alberto e também enviou soldados para vigiar o local. O diário afirma que "Morales e seus soldados têm o apoio incondicional dos bolivianos mais pobres", mas contrasta essa reação com a dos habitantes da província de Tarija, "que tem mais da metade das reservas de gás da Bolívia e cujos moradores estão divididos sobre o processo de nacionalização".O FT relata que existe uma suspeita entre a população da região de que a "nacionalização visa centralizar o controle das reservas naturais antes de um referendo marcado para julho, que deve conceder maior autonomia aos governos regionais".

Agencia Estado,

05 de maio de 2006 | 09h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.