Bolívia garante fornecimento de gás natural ao Brasil

O presidente da Bolívia, Eduardo Rodríguez, afirmou ontem à noite, em entrevista à rede de televisão CNN, que seu país honrará os contratos de venda de gás natural firmados com Brasil e Argentina. Rodríguezdisse ainda que o governo boliviano estudará sua possível participação no "anel energético" que está sendo discutido por várias nações sul-americanas. "O país tem uma conduta irrepreensível de honrar seuscompromissos de ordem internacional. Fez isso, está fazendo e continuará, principalmente no que diz respeito aos contratos de fornecimento de gás com Brasil e Argentina", afirmou Rodríguez. Ele esclareceu ainda que o Executivo pretende cumprir uma reforma no setor energético promulgada em meadosde maio, que estabelece aumento nos impostos pagos pelas multinacionais petrolíferas e a intervenção do governo boliviano no negócio. Segundo Rodríguez, um dos objetivos de sua gestão será desenvolver "uma política de hidrocarbonetos mais compreensiva possível, não só para o consumo interno, mas para a região". Sobre as exigências de nacionalização dos recursos energéticos feitas pelos setores sociais e a esquerda boliviana, opresidente disse que estes pedidos "podem merecer um imenso debate, mas acho que a legislação atual, a partir do regime constitucional e legal, resolve essa dificuldade".O governante boliviano mencionou um plano conjunto defornecimento de gás natural analisado pelos países do cone sul-americano para atenuar o déficit de energia na região, que afeta especialmente Chile e Argentina. "Tomei conhecimento deste entendimento poucas horas antes de chegar a La Paz e pedi mais detalhes, para que os países que avançaram nesta idéia nos informem adequadamente. Depois, vamos avaliar em que medida poderemos ou não nos integrar", explicou. A iniciativa regional, batizada como "anel energético", prevê a construção de um gasoduto que vai do sul do Peru até o norte do Chile, de onde se conectará a redes de distribuição de hidrocarboneto para Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil. A Bolívia possui a segunda maior reserva de gás natural da América do Sul, com 48,7 trilhões de pés cúbicos, atrás da Venezuela e à frente do Peru. Atualmente, o país exporta 24 milhões de metros cúbicos diários ao Brasil e sete milhões de metros cúbicos diários para a Argentina. Em 9 de junho, Rodríguez assumiu o poder em substituição a Carlos Mesa, que renunciou em meio a uma onda de protestos. O objetivo central de seu mandato é comandar um processo que resultena realização de eleições gerais antecipadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.