coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Bolívia suspende o envio de gás para a Argentina sob pressão de manifestantes

A petroleira boliviana Transredes cortou na noite de segunda-feira o fornecimento de gás natural para a Argentina por causa da pressão dos manifestantes na fronteira do país, mas espera retomá-lo durante o dia, segundo uma fonte da companhia ouvida pela Efe. A fonte afirmou que cinco empregados da empresa foram obrigados por cerca de 650 manifestantes a fechar as válvulas da estação de San José de Pocitos, localizada a dois quilômetros da cidade de Yacuíba, na fronteira com a Argentina.Segundo a empresa, trata-se da primeira suspensão dos envios de carburante ao mercado argentino desde que foram retomadas as vendas em 2004. A Transredes é uma das empresas que administra a rede de gasodutos e oleodutos da Bolívia junto com as britânicas Ahsmore e Shell, e também exporta o gás para o Brasil.A Bolívia exporta atualmente para a Argentina cerca de 4,5 milhões de metros cúbicos diários de gás dos 7,7 milhões que estão comprometidos a um preço de US$ 5 por milhão de unidade térmica britânica (BTU)Desde quinta-feira, os manifestantes bolivianos de Pocitos e seus vizinhos da localidade argentina de Salvador Mazza realizam diversos protestos sociais, impedindo o trânsito na região.Cerca de dois mil comerciantes bolivianos esperam do governo a ajuda autorizada para importação diária, de US$ 350 a US$ 700, que a administração de Buenos Aires recusou.A administração Federal dos Ingressos Públicos (AFIP) da Argentina apresentou em maio passado uma resolução para impedir que grandes quantidades de grãos de farinha fossem transportados do interior do país às fronteiras para serem comercializadas de forma ilegal.Além disso, o Comitê Cívico da localidade de Yacuiba, próxima a Pocitos, também emitiu um pronunciamento exigindo ao governo de La Paz que cumpra seu compromisso de instalar uma Vice-presidência de Contratos e Fiscalização da estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos.Do lado argentino, 200 pessoas, entre comerciantes, desempregados e "bagayeros" (pessoas que transportam mercadorias de um lado para outro da fronteira), bloqueiam a Ponte Internacional e protestam pela resolução que limita a entrada de farinha, arroz e azeite fabricados na Argentina.BrasilNa segunda-feira índios guaranis ameaçaram cortar as exportações de gás boliviano para o Brasil. Eles disseram que ocupariam as reservas de petróleo e gás da região de Chaco, controladas pela joint venture Transierra (composta pela brasileira Petrobras, a espanhola Repsol e a francesa Total).

Agencia Estado,

29 de agosto de 2006 | 11h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.