bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Bolívia vai pedir arbitragem caso não haja acordo sobre gás

O governo da Bolívia anunciou nesta terça-feira que, se nos próximos 60 dias não chegar a um acordo com o Brasil sobre o novo preço para a exportação do seu gás natural, está disposta a recorrer a um tribunal de arbitragem internacional.Segundo a Agência Boliviana de Informação, o ministro de Hidrocarbonetos, Andrés Soliz Rada, informou nesta terça à imprensa que o governo não quer novas ampliações do prazo das negociações, iniciadas dia 29 de junho.A empresa estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) e a Petrobras acertaram na sexta-feira passada estender por 60 dias as conversas sobre a reivindicação boliviana de aumentar o preço do gás exportado para o Brasil."Não posso dizer que não haverá mais ampliações, mas, se não houver acordo dentro de 60 dias, o mais provável é recorrermos a uma arbitragem", disse o ministro.Soliz Rada admitiu que a falta de consenso obrigou a adiar as negociações até 14 de setembro, data fixada para o próximo encontro, na Bolívia."Um dos argumentos da Petrobras é de que o gás boliviano serve para alimentar as termoelétricas do Brasil e elas têm que vender eletricidade a preço subvencionado. Por isso, quer comprar o gás mais barato, para que o preço da energia seja menor", revelou o funcionário.No fim de junho, Soliz Rada se declarou "muito otimista" diante da possibilidade de um tribunal internacional de arbitragem decidir o caso. Para ele, "qualquer árbitro entenderia que as condições têm que melhorar para a Bolívia".ReajusteO Brasil atualmente compra 24 milhões de metros cúbicos diários de gás natural da Bolívia, a um preço de US$ 4 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica). O contrato de venda foi assinado em 1999, estabelecendo um fornecimento máximo de 30 milhões de metros cúbicos por dia até 2019.Há meses o presidente boliviano, Evo Morales, pede que o Brasil passe a pagar US$ 8. A justificativa para a exigência é uma cláusula no contrato pela qual, a cada quatro anos, as partes podem renegociar os valores se uma das duas quiser.A Petrobras rejeita o aumento, argumentando que a tarifa já é periodicamente reajustada, mas não em função do preço dos combustíveis no destino final, o Estado de São Paulo, como reivindica a Bolívia.São Paulo é o principal destino do gás da Bolívia, que abastece 80% do estado.No fim de junho, a Argentina aceitou aumentar de US$ 3,35 para US$ 5 por milhão de BTU o preço do gás pago à Bolívia. Morales acertou o aumento em reunião com o presidente argentino, Néstor Kirchner.No entanto, apesar de tentar abordar o tema em várias reuniões bilaterais com Luiz Inácio Lula da Silva, Morales não conseguiu, por enquanto, a mesma receptividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.