Bolsa: analistas indicam setores

O mercado acionário passou a ser uma opção interessante para quem tem tolerância ao risco e busca rendimentos mais expressivos. Isso porque a rentabilidade oferecida por aplicações vinculadas às taxas de juros pode ficar cada vez menor em função da política de redução de juros. Ao mesmo tempo, no mercado de ações, esse cenário é favorável às empresas. A queda das taxas estimula o crédito e pode favorecer o volume das vendas das companhias. Além disso, a um custo mais reduzido, as empresas conseguem dinheiro para implementação de novos projetos.Para quem pretende comprar ações para obter ganhos dentro dessas perspectivas, os analistas indicam os papéis de empresas de setores que mais se beneficiam com o crescimento econômico. Júlio Ziegelmann, diretor de renda variável da BankBoston Asset Management, aponta os segmentos de papel e celulose, siderurgia e têxtil. "São os primeiros a perceberem um aumento no volume de vendas das empresas, em função da queda das taxas de juros", explica.No setor de siderurgia, ele aponta as ações da Usiminas e da Gerdau como as melhores opções. No caso da Usiminas, o preço-alvo definido pela instituição é de R$ 15,00, o que significa uma possibilidade de ganho de 147,93% em um ano, em relação à cotação de fechamento de quarta-feira. Para a Gerdau, Ziegelmann prevê um ganho de 37,79% no mesmo período. Os papéis da Coteminas são recomendados pelo diretor no setor têxtil. Ele acredita em um rendimento de 40,24% em um ano.Papel e Celulose também é um setor recomendado por Alexandre Póvoa, diretor de renda variável da ABN Amro Asset Management. Assim como Ziegelmann, ele aponta as ações da Votorantim Celulose e Papel como uma opção dentro desse segmento. Em relação à cotação de quarta-feira, Ziegelmann prevê uma valorização de 35,48% em um ano. Analista recomenda fundo de ações O setor de alimentos também deve ser beneficiado pelo crescimento econômico. Essa é a opinião de Roseli Machado, diretora de gestão da corretora Fator Dória Atherino. Ela recomenda a compra dos papéis da Sadia Porém, Roseli adverte que a compra de ações pelo investidor requer um acompanhamento diário do mercado financeiro, pois é necessário que o acionista reavalie constantemente sua carteira de papéis.Para quem não pode fazer esse tipo de acompanhamento, ela indica o investimento em fundo de ações. "Nesse caso, é o gestor do fundo quem faz esse tipo de avaliação. É ele quem vai mudar a composição da carteira, de acordo com as perspectivas econômicas para os setores", explica. Por esse trabalho, as instituições financeiras cobram uma taxa de administração sobre o valor total do investimento. Veja no link abaixo, mais informações no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.