Bolsa argentina desaba com receio de Kirchner

O índice Merval da bolsa de Buenos Aires desabou 8,62% nesta segunda-feira pós-eleições presidenciais. Segundo operadores, a queda se deve ao temor de uma vitória de Néstor Kirchner no segundo turno das eleições e à realização de lucros. O mercado já contava com uma disputa entre Carlos Menem e Ricardo López Murphy, os candidatos pró-mercado.Apesar da forte queda nesta segunda-feira, os analistas afirmam que o mercado manterá a expectativa até a decisão do segundo turno, com o atenção nas medidas que poderão ser anunciadas pelo ministro de Economia, Roberto Lavagna, que será mantido no cargo por Kirchner, caso seja eleito em 2º turno. "A tendência das pesquisas de opinião também poderá ter reflexo no ânimo dos investidores, porque estaremos diante de duas opções diferentes de modelos econômicos", disse o analista Rafael Ber, da consultoria Argentine Research.Ele afirma que há dois modelos propostos distintos, um que está mais orientado à recuperação financeira e entrada de capitais, liderado por Menem, outro para proteger a indústria local, representado por Kirchner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.