Estadão
Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bolsa cai com exterior e dados ruins do Brasil

Ibovespa cede 0,90% e fecha aos 53.749,41 pontos nesta sexta-feira; índice termina semana com ganhos de 0,75%

Fabrício de Castro, Claudia Violante, O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2015 | 17h28

Após o avanço consistente nesta quinta-feira, a Bovespa recuou nesta sexta-feira durante todo o dia, influenciada por Nova York, onde os principais índices de ações também recuavam. Os indicadores econômicos divulgados no Brasil pela manhã também contribuíram para a venda de ações. Assim, o Ibovespa cedeu 0,90%, aos 53.749,41 pontos. Ainda assim, terminou a semana com ganhos de 0,75%.    

Na pontuação mínima de hoje, o Ibovespa marcou 53.479 pontos (-1,40%) e, na máxima, 54.236 pontos (estabilidade). No mês, a Bolsa tem alta de 1,88% e, no ano, de 7,48%. O giro financeiro totalizou R$ 5,681 bilhões. 

Profissionais ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, disseram que a Bovespa não tinha razões para subir hoje - ao contrário, já que os indicadores conhecidos pela manhã foram ruins e recomendavam cautela. O final de semana à frente, com a possibilidade de algum novo desdobramento na Grécia, também endossava a visão de maior cuidado com as operações. 

Logo cedo, saiu o Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15), que subiu 0,99% em junho, ante 0,60% em maio e acima das previsões (+0,71% a +0,90%). O índice - uma espécie de prévia do índice oficial de inflação, o IPCA - foi o pior para meses de junho desde 1996. O IBGE informou ainda que o emprego industrial caiu 0,9% em abril ante março, em mais um sinal de que a atividade não vai bem. Já o Banco central informou que seu índice de atividade, o IBC-Br, cedeu 0,84% em abril ante março, com ajuste, e caiu 3,13% em abril ante o mesmo mês do ano passado. O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), por sua vez, anunciou o fechamento de 115.599 postos de trabalho em maio.

Nos EUA, o vencimento quádruplo nas bolsas (opções de ações e índices e futuros de ações e índices) e declarações do presidente do Fed de São Francisco, John Williams, levaram as bolsas a operarem em baixa. No começo da tarde, ele defendeu o aumento das taxas de juros do país em algum momento neste ano. 

Na Grécia, ainda impera um impasse nas negociações, mas a população não está esperando para ver o pior. Tanto que dados do banco central do país mostram que famílias e empresas retiraram quase metade de todos os depósitos nos últimos seis anos. 

Nos EUA, o Dow Jones terminou em queda de 0,56%, aos 18.014 pontos, o S&P recuou 0,54%, aos 2.109 pontos, e o Nasdaq perdeu 0,31%, aos 5.117 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaibovespaBM&Fbovespamercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.