Bolsa da Índia tem maior queda em seus 129 anos

A Bolsa da Índia registrou a maior queda de seus 129 anos de história nessa segunda-feira, com o índice Sensex cedendo 564,71 pontos (11%), para 4.505,16 pontos. Na sexta-feira, esse índice já tinha perdido 6,1%. Ao longo do dia, o índice chegou a cair a 4.227,50 pontos e a direção da bolsa paralisou as operações em dois momentos para um período de esfriamento, depois que o Sensex sinalizou perdas que excederam o limite de 15%. Os temores incessantes de que o novo governo e seus aliados de esquerda deverão desacelerar as reformas econômicas do país, particularmente, os processos de privatização levaram os investidores a ampliarem as vendas de ações nesse mercado. Esses temores têm minado o interesse de compras no mercado local desde a semana passada, mas o nervosismo de intensificou hoje. "Foi um caos total", afirmou o operador-chefe do IDBI Capital Markets, G.K. Shenoy. O índice de papéis do setor público, que agrupa 47 ativos de companhias estatais, caiu 13%, puxado pela Hindustan Petroleum, que caiu 6% e pela Bharat Petroleum, que cedeu 5%. O governo anterior, formado pela Aliança Democrática Nacional, havia prometido vender participações grandes nessas refinarias, mas agora é pouco provável que essas promessas sejam mantidas, já que o novo governo, liderado pelo Congresso, se opõe à venda de ativos de empresas lucrativas."Havia muito apetite pelas companhias estatatais na lista de ´privatizáveis´. Mas declarações confusas do Congresso e de partidos aliados abalaram a aritmética dos investidores", disse o chefe de pesquisa do K.R. Choksey Shares, Jigar Shah. Os bancos também foram punidos por vendas, com o esvaziamento das esperanças de que a participação do governo nos bancos estatais seria reduzida de 51% para 33%, como era o plano do governo anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.