Bolsa da Indonésia despenca 10,4% após ataque em Bali

A Bolsa da Indonésia encerrou a sessão desta segunda-feira em forte queda, com os investidores saindo das ações locais após um ataque em Bali ter deixado pelo menos 189 mortos e cerca de 300 feridos. O índice Jacarta Composto fechou com baixa de 38,99 pontos (-10,4%), em 337,47 pontos, atingindo o menor nível desde 15 de abril de 1998. O volume negociado foi considerado excepcionalmente forte, totalizando cerca de 1,2 bilhão de ações. No final do dia, 132 papéis terminaram o dia no negativo, 11 subiram, enquanto 34 ações ficaram inalteradas. "O principal índice da bolsa pode cair ao nível de 320, caso o governo não anuncie medidas satisfatórias para investigar a explosão", comentou o executivo Ferry Wong, chefe de pesquisa do BNP Paribas Peregrine, em Jacarta. As ações de telecomunicações puxaram a queda do índice. A Telekomunikasi Indonesia cedeu 19%, enquanto a Indonesian Satellite despencou 13%. Os operadores afirmaram que os estrangeiros também venderam as blue chips de cigarro. A Gudang Garam caiu 11% e a HM Sampoerna fechou em baixa de 13,3%. A rupia, a divisa local, registrou uma acentuada desvalorização ante o dólar, atingindo o menor nível em cinco meses em uma sessão marcada pela volatilidade. O dólar encostou na máxima de 9.350 rupias no início do dia, mas recuou do pico com uma intervenção do Banco Central e fechou em 9.330 rupias. Mesmo com o recuo do pico, o dólar fechou em alta de 3,4% sobre a rupia. O Banco Central da Indonésia confirmou a intervenção, mas não informou o montante envolvido nas operações de venda de dólar.O mercado avaliou que o BC da Indonésia vendeu entre US$ 15 milhões e US$ 20 milhões para frear a alta do dólar. Em nota, a agência de classificação de risco Standard & Poor´s considerou que o ataque afetará a economia local e influenciará a política do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.