Bolsa de Buenos Aires registra forte alta de 3,21%

A Bolsa de Buenos Aires registrou uma forte alta de 3,21%, nesta terça-feira, com um volume negociado de 143,1 milhões de pesos, aproximadamente US$ 48,5 milhões, o mais alto do ano. O índice Merval marcou um novo recorde ao atingir 1.480,11 pontos. Tantos números positivos foram motivados pelo otimismo do mercado com o andamento do swap da dívida pública, segundo os operadores da Bolsa. Conforme as últimas informações oficiais, o swap argentino já atingiu um nível de aceitação da ordem de 42% dos detentores de bônus em default. Até o dia 4 de fevereiro, as adesões ao swap somavam-se US$ 32,65 bilhões, o que equivale a 42,35% do montante que o governo ofereceu para reestruturar até o dia 25 de fevereiro. Fontes do Ministério de Economia confirmaram a porcentagem de adesão, mas na última segunda-feira, o ministro Roberto Lavagna, havia estimado que a oferta contava com uma aceitação de 35%. Lavagna também voltou a afirmar que a operação será encerrada no dia 25 de fevereiro próximo, sem nenhuma perspectiva de que seja reaberta. A oferta do governo argentino de trocar os bônus em default no valor de US$ 81,8 bilhões não será melhorada, segundo o governo. Para tanto, nesta quarta-feira, o Congresso sancionará a Lei enviada pelo presidente Néstor Kirchner, que proíbe mudar a oferta, negociar ou reabrir o swap após o dia 25 de fevereiro. Para o governo Kirchner, se o swap obtiver 50% de aceitação, a Argentina terá deixado a moratória no passado. Porém, o Fundo Monetário Internacional e analistas privados pensam que esse número tem que ser maior para que o país saía do default. O FMI aceitaria uma porcentagem de 70% de aceitação, enquanto que os analistas variam suas estimativas entre 60 e 75%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.