Bolsa de Frankfurt encerrará Neuer Markt

O alemão Neuer Markt, inspirador do Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), deixará de existir até o final de 2003. A Bolsa de Frankfurt anunciou hoje uma reestruturação dos seus níveis de negociação. A partir do ano que vem, todas as empresas terão de escolher entre dois segmentos de transação: o Prime Standard e o Domestic Standard. O Prime contará com regras mais rígidas de governança corporativa e irá incorporar e substituir o Neuer Markt, que reunia apenas as empresas de tecnologia da bolsa alemã. A crise mundial das empresas de tecnologia afetou o Neuer Markt. Criada em 1997, a novidade foi responsável por uma febre de abertura de capital na Alemanha, em meio à euforia com as empresas de tecnologia. A intenção era abrigar companhias com grande potencial de crescimento, principalmente da área de Internet e telecomunicações.Para refletir o seu desempenho existe o Nemax, índice que reúne os 50 papéis com maior valor de mercado, que chegou a 9.033 pontos no início de 2000 e está hoje em 368 pontos. O Neuer inovou ao exigir regras mais rígidas de governança corporativa, como a existência de apenas ações com direito a voto. No entanto, os problemas começaram a surgir quando o segmento revelou-se não tão lucrativo quanto o imaginado. Atualmente, o Neuer conta com 264 empresas, mas em abril do ano passado esse número era de 340.Bovespa elogia mudançasO assistente da superintendência geral da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Hélcio Fajardo Henriques, afirmou que o Novo Mercado (NM) tem uma diferença importante em relação ao alemão Neuer Markt. "O Neuer era destinado apenas a empresas da chamada ´nova economia´, enquanto o Novo Mercado é para todas as companhias", disse.O mercado alemão, criado em 1997, serviu de inspiração para o NM, por conta da exigência de regras mais rígidas de governança corporativa. Henriques avalia que o Neuer não está na verdade sendo extinto e sim reformulado, o que não acarreta uma repercussão negativa no mercado brasileiro. "O Neuer está se adaptando ao Novo Mercado. As regras de lá serão estendidas a todas as companhias."Henriques admite que o NM não garante resultados das empresas, mas avalia que o investidor está mais seguro nesse ambiente de negociação. "O investidor visa resultado e não adianta ter só transparência se a empresa estiver falida", disse. "No entanto, o Novo Mercado garante segurança e igualdade para os acionistas." Segundo ele, o IBX 50, novo índice a ser lançado pela Bovespa, não foi inspirado no Nemax 50 - indicador que reúne os 50 papéis de maior valor de mercado do Neuer. "O número é apenas uma coincidência." Normas do Prime são quase as mesmas do Neuer MarktA porta-voz da Bolsa de Frankfurt, Candice Adam, afirmou à Agência Estado que as normas do Prime e do Neuer serão praticamente as mesmas. A diferença, portanto, é que o novo segmento abrangerá todas as companhias listadas que quiserem aderir - e não só as de tecnologia.Para fazer parte do segmento Prime, criado pela Bolsa alemã, as companhias terão de divulgar balanços trimestrais, calendário corporativo, seguir regras internacionais de contabilidade (IAS ou US Gaap) e realizar pelo menos uma conferência por ano. O modelo será apresentado para o conselho da Bolsa e implementado no início de 2003.Adam lembrou que as empresas do Neuer já seguem rígidos padrões de transparência e estão prontas para ser incorporadas ao Prime. No Domestic Standard, as empresas têm apenas de seguir as regras previstas na legislação. Candice Adam afirmou que as mudanças na legislação do mercado de capitais da Alemanha darão a base para a criação dos novos segmentos de negociação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.