Bolsa de Londres fecha em alta de 1,28%; Paris, +0,73%

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em alta de 50,7 pontos (1,28%), em 4.016,6 pontos. O volume ficu em 2,4 bilhões de ações negociadas. Na semana, o FT-100 acumulou uma queda de 81,7 pontos (1,99%). Em Paris, a alta hoje foi de 0,73%.Traders disseram que o mercado londrino abriu em queda, com o FT-100 chegando a cair 111 pontos, com os investidores realizando lucros depois da alta de 5% ocorrida ontem. A abertura positiva das Bolsas dos EUA trouxe uma influência positiva e Londres passou a subir. "As coisas melhoraram bastante. Parece que o pior das vendas a descoberto já passou", comentou um trader. Mas, de acordo com o estrategista Anais Faraj, da Nomura Securities, o mercado sofrerá "mais pressão, por causa da tendência precária dos lucros das empresas". Entre os destaques do pregão estavam as ações da seguradora Alliance & Leicester, que avançaram 3,9% depois da divulgação de seu resultado no primeiro trimestre. Também subiram as ações de setores defensivos, como o farmacêutico (GlaxoSmithKline +5,7%) e o de tabaco (Gallaher Group +4,5%). As da Oxford GlycoSciences avançaram 8,6%, depois de as autoridades reguladoras da União Européia aproverem seu medicamento Zavesca, para tratamento do Mal de Gaucher. As ações do setor financeiro recuperaram terreno, depois das quedas recentes (Barclays +6,4%, HBOS +5,7%). As ações do setor de mineração, porém, sofreram quedas fortes, em reação ao vazamento de um documento interno do governo sul-africano segundo o qual grupos ligados à etnia majoritária (os negros) deverão controlar pelo menos 51% de novos projetos de mineração e 30% dos projetos existentes, num prazo de dez anos (Anglo American -11%, Rio Tinto -2%, Xstrata -12,4%, BHP Billiton -1,4%). Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 fechou em alta de 22,84 pontos (0,73%), em 3.172,56 pontos. Na semana, o CAC acumulou uma queda de 151,48 pontos (4,56%). Traders disseram que a queda das ações dos setores de construção e tecnologia tirou o brilho da alta das de outros setores. As ações da Saint Gobain caíram 23%, depois de a empresa reduzir a zero sua previsão de lucros para o ano. Isso afetou outras ações do setor de construção, como Vinci (-5,0%) e Lafarge (-4,3%). As ações do setor de tecnologia caíram, depois de a Moody´s Investors Service rebaixar o rating da Ericsson, da Suécia (Dassault Systèmes -5,8%, Alcatel -9,4%). No setor financeiro, as ações da seguradora Axa subiram 10%, recuperando-se das quedas recentes. As da montadora Renault avançaram 8,8%, em reação a seus resultados no primeiro semestre. As das empresas farmacêuticas subiram, acompanhando a alta do setor em outras bolsas européias (Sanofi-Synthelabo +3,1%, Aventis +6,2%). As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.