Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsa de metais de Londres aprova armazém do BTG Pactual em Cingapura

O brasileiro BTG Pactual recebeu sinal verde da bolsa de metais London Metal Exchange (LME), de Londres, para montar operações de armazenagem em Cingapura, marcando a primeira incursão na Ásia do banco de investimentos que busca aumentar suas negociações físicas de metais.

REUTERS

23 de julho de 2014 | 10h29

Em um comunicado a seus membros, a LME disse que autorizou o BTG Pactual a armazenar alumínio, liga de alumínio, cobre, níquel, chumbo, estanho e zinco em Cingapura.

A instalação na cidade-Estado é a terceira credenciada pelo banco junto à LME este ano. O BTG é um dos poucos bancos no mundo que estão ampliando a atuação no setor de commodities.

Entre uma série de contratações de profissionais de alto nível no setor, o BTG recebeu no ano passado o especialista em armazéns de metais Shon Loth, com experiência anterior na Noble e na Pacorini Metals.

O banco registrou dois armazéns nos Estados Unidos, um em Detroit, um polo automotivo, e outro em Owensboro, no Kentucky, neste ano.

O BTG também pediu registro de seus armazéns junto ao grupo operador de bolsas de valores CME.

A expansão ocorre em meio a uma grande revisão dos procedimentos de crédito e armazenagem na Ásia, depois de uma suspeita de fraude no financiamento de metais no porto de Qingdao, na China, o terceiro maior do país e sétimo mais movimentado do mundo.

A maior parte das grandes operadoras de armazéns de metais do mundo já tem presença em Cingapura.

(Por Melanie Burton)

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSBTGMETAIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.