Bolsa de Moscou desaba e suspende pregão até terça-feira

Na Ucrânia, Standard and Poors rebaixou o risco do país e alertou para um possível empréstimo do FMI

Redação com AE e AP

24 de outubro de 2008 | 09h46

A bolsa russa Micex anunciou a suspensão até a próxima terça-feira de suas operações, depois de o principal índice cai 14% para 513,62 pontos, nível não operado desde 2005 As bolsas européias vivem um dia de fortes quedas . depois do anúncio de retração na economia britânica no terceiro semestre e de cortes na produção de automóveis de montadoras francesas. Veja também: Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise Antes do anúncio da decisão, os negócios haviam sido suspensos por uma hora, quando as ações cederam 5%. Pelas regras recentemente reformuladas pelas bolsas russas, os negócios são suspensos até o fechamento da sessão seguinte quando os preços de um grupo de ações caem mais de 10%.O banco estatal Sberbank, o maior do país, teve uma desvalorização de 20,5% em suas ações. A estatal do petróleo Gazprom caiu 16,5%. O petróleo é uma das principais fontes de riqueza da Rússia, mas o preço da mercadoria, após atingiu um pico de US$ 147  o barril, caiu mais de 50% depois do começo da turbulência global. Hoje, o barril light crude era negociado em Nova York a US$ 67. Mais cedo, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) anunciou que vai diminuir em 1,5 milhão de barris por dia sua produção a partir do dia 1º de novembro. Com essa medida, o cartel tenta reduzir a oferta da commoditty e assim alavancar seu preço.UcrâniaA agência de classificação de risco de crédito Standard & Poor's Ratings Services reduziu os ratings para moedas estrangeira e local da Ucrânia em um grau, para B e B+, respectivamente. Ambos estão em nível especulativo. Os ratings de curto prazo do país foram reiterados em B. De acordo com a S&P, a crise financeira atual vai aumentar os custos para que o país recapitalize seus bancos e atravancar seu crescimento econômico.A agência afirmou que um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI), considerado provável, deve impulsionar as reservas em moeda estrangeira do país, lançar as bases para reformas econômicas e orçamentárias e estimular um suporte adicional dos bancos de desenvolvimento multilaterais. Mas o consenso político em torno de um empréstimo do FMI ou de outras organizações pode não vir rápido o suficiente para compensar a pressão crescente sobre a taxa de câmbio e o setor financeiro, disse a S&P. A baixa confiança nos bancos da Ucrânia aumenta os riscos para a economia e a inflação, disse a agência, e a depreciação da moeda do país pode aumentar o custo de recapitalização do sistema financeiro pelo governo.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa russaucrâniacrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.